Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Granado

Batalha dos inelegíveis: principais prefeitáveis de Búzios estão impedidos de concorrer às eleições

Condenados por improbidade, Granado e Mirinho tentam reverter situação a tempo de disputar pleito

04 junho 2016 - 11h31Por Redação
Batalha dos inelegíveis: principais prefeitáveis de Búzios estão impedidos de concorrer às eleições

O prefeito de Búzios, André Granado (PMDB), e o ex-prefeito Mirinho Braga (PDT), pré-candidatos às eleições deste ano, estão às voltas com problemas na Justiça: ambos foram condenados em processos por improbidade administrativa. Por conta disso, estão inelegíveis.

O ex-prefeito de Armação dos Búzios Mirinho Braga (PDT) afirmou nesta sexta (3) que já recorreu da decisão tomada pela Justiça, que o condenou por improbidade administrativa, tornando-o inelegível por cinco anos. Por decisão do juiz da 1ª Vara da cidade, Marcelo Villas, Mirinho foi condenado porque nomeou em 2009 Virginia Hatsmumi Okabayashi para o cargo de coordenadora da Unidade de Estudos de Projetos Sociais, Econômicos e Urbanísticos, sem a necessária qualificação para exercê-lo.

Dizendo-se ‘tranquilo’, Mirinho garantiu que não cometeu qualquer irregularidade.

– Decisão se respeita e se recorre quando não se concorda. Fui condenado por nomear uma funcionária concursada e com toda capacidade técnica e legal para o cargo – afirma.

André Granado perde recurso

O Ministério Público obteve a confirmação da condenação, por improbidade administrativa, do prefeito de Búzios, André Granado; do ex-prefeito Toninho Branco; do ex-consultor jurídico e do ex-procurador-geral do Município de Armação dos Búzios, Heron Abdon Souza e Natalino Gomes de Souza Filho, respectivamente; e do Instituto Nacional de Desenvolvimento de Políticas Públicas (INPP).

Segundo o acórdão, os quatro condenados perderam seus direitos políticos por oito anos. Pela Lei da Ficha Limpa, o prefeito André Granado e os demais réus estão inelegíveis. Além disso, todos terão que ressarcir integralmente o dano causado ao município no valor de R$ 2.022.189,44.

De acordo com o MP, André Granado, então secretário municipal de Saúde da gestão Toninho Branco, foi o principal responsável pela contratação do INPP, para prestação de serviços de gestão, assessoria e controle das atividades desenvolvidas pelo Programa Saúde da Família. O contrato firmado em 21 de março
de 2007 possuía inicialmente o valor de R$1.733.305,22, com duração de seis meses. Entretanto, em 21 de setembro do mesmo ano, Granado determinou sua prorrogação por mais 30 dias, acrescentando o valor em R$ 288.884,22.

Foram constatadas situações como dispensa irregular de licitação; ausência de pesquisa de preços e projeto básico; inconsistência nas planilhas de quantitativos e preços; falsidade ideológica do contrato administrativo; realização de pagamentos ao INPP sem comprovação por parte da administração pública; e utilização de royalties de petróleo para pagamento de despesas.

Segundo o MP, Heron e Natalino colaboraram no esquema ao elaborarem pareces jurídicos que conferiram aparência de legalidade à contratação direta e ao aprovarem a minuta de termo aditivo ao contrato administrativo.