Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Banda

Banda Santa Helena se recusa a tocar sem cachê

Tradicional grupo da cidade espera que Prefeitura quite dívida no valor de R$ 5 mil

12 agosto 2015 - 09h44

Gabriel Tinoco

 

A Banda Santa Helena só faz a Alvorada na Festa da Padroei­ra Nossa Senhora de Assunção se a Prefeitura pagar o que deve. É o que garante o músico Jessé Menezes à Folha. A celebração, marcada para o fim de semana, está ameaçada caso o governo não quite a dívida de R$ 5 mil ao tradicional grupo da cidade. Esse é mais um dos valores em débito com diversos artistas da cidade, que marcaram reunião na noite de ontem para debater melhores meios de cobrar o di­nheiro do poder público.

– Depois da repercussão da minha entrevista no jornal e do movimento da Taz, falei com algumas pessoas da Igreja Católi­ca explicando o porquê de a ban­da não tocar. Fomos convidados para fazer a alvorada no Dia da Padroeira e eu falei que a banda não iria por causa da dívida. A gente vai tocar num lançamen­to de um livro e, nos ensaios, os músicos me disseram que eles só fa­riam a alvorada caso recebessem o pagamento adiantado – disse Jessé.

O protesto da cantora e pro­dutora Taz Mureb encorajou ou­tros cantores e instrumentistas a cobrarem débitos do Governo Municipal. De acordo com Jessé Menezes, só para ele, a Prefeitu­ra deve mais de R$ 30 mil.

– Fiz trabalho em 2013 que não recebi. Conheço alguns mú­sicos que estão na mesma situ­ação. Marcamos uma reunião hoje para deliberar algumas reivindicações de uma maneira mais organizada: um abaixo-as­sinado, um protesto, carro de som, cartazes. Inclusive, recebi um telefonema da Secretaria de Eventos para me reunir com o secretário amanhã. Há dois me­ses tento me reunir com ele e não consigo – conta.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta (12)