Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
fim da greve

Bancos voltam ao trabalho e clientes enfrentam filas

Discutindo acordo à parte, funcionários da Caixa mantêm a greve

07 outubro 2016 - 13h54Por Redação I Foto: Rodrigo Branco
Bancos voltam ao trabalho e clientes enfrentam filas

Depois da maior greve da história, que durou 31 dias, os bancários voltaram ao trabalho nesta sexta-feira (7). Em Cabo Frio, as agências do Centro tiveram um grande movimento logo pela manhã e muitas delas registraram filas de clientes, que tinham contas acumuladas. Foi o caso do técnico em manutenção eletrônica Bruno Vieira, de 33 anos. O rapaz conta que chegou a ter o telefone cortado por não conseguir pagar a fatura, mesmo no caixa eletrônico. 

– Estou com 90% das contas atrasadas. Ainda não consegui pagá-las por causa da fila. Para ser sincero, resolvi sair e voltar mais tarde. Fiquei 40 minutos esperando e não fui atendido – reclama ele, que disse também ter deixado de receber vários pagamentos.

A dona de casa Araci Augusto Benedito, 46, teve mais sorte e foi logo atendida.

– Só vim trocar um cheque. A greve não me atrapalhou tanto porque pedia para alguém pagar as contas para mim no caixa automárico – relata.

Mas nem todos os correntistas puderam resolver suas pendências, pois os funcionários da Caixa Econômica Federal mantêm a greve, uma vez que possuem uma defasagem salarial maior que a dos colegas dos bancos privados e do Banco do Brasil. De acordo com o representante do sindicato dos Bancários de Niterói e região, Suez Santiago, o acordo coletivo dos funcionários da Caixa tem cláusulas específicas.

Por causa disso, muita gente ainda tem que recorrer às casas lotéricas para pagamentos e saques de benefícios do governo federal.

Os bancários voltaram à ativa depois de aceitarem em assembleia na noite de quarta-feira (5) a terceira oferta feita pela Federação Nacional do Bancos (Fenaban) na noite de quarta-feira foi de reajuste de 8% em 2016 e abono de R$ 3.500. Haverá ainda aumento de 10% no vale refeição e no auxílio-creche-babá e de 15% no vale alimentação. Os bancos também se comprometeram a garantir aumento real de 1% em todos os salários e demais verbas.

O acordo tem validade de dois anos. Para 2017, os salários serão reajustados pela inflação (INPC/IBGE), mais 1% de aumento real. Está prevista para a noite desta sexta, uma assembleia para tentar um acordo com os funcionários da Caixa Econômica.