Assine Já
domingo, 29 de novembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
baleia

Baleias aparecem com mais frequência em Arraial do Cabo

Biológo atribui caso a fluxo migratório comum dos mamíferos nesta época do ano

02 julho 2016 - 12h01Por Rodrigo Branco

Não, o título da maté­ria não significa que Arraial do Cabo te­nha perdido a con­dição de ‘capital do mergulho’, mas o fato é que é justamente a vocação marítima do seu povo que tem rendido um número cada vez maior de flagrantes fei­tos, com câmeras ou celulares, de baleias e golfinhos na costa cabista.

Sozinhos ou em bando, ma­míferos das espécies jubarte e cachalote têm sido vistos nas últimas semanas em quantidade surpreendente até mesmo para quem está acostumado com a vida no mar. Esta semana, por exemplo, a rara aparição de uma orca próxima à Ilha do Farol chamou a atenção até da impren­sa nacional.

Apesar do frenesi e da curio­sidade provocadas pela situação, o biólogo Eduardo Pimenta afir­ma que não se trata de qualquer fenômeno especial, e sim, de um fluxo migratório das espécies, que acontece nesta época do ano. Para ele, a posição geográfica da cida­de também favorece a visualização dos animais.

– Isso não é anormal. O que acontece é que hoje muito mais gente tem celular, o que faz com que os animais sejam registrados com mais frequência quando mi­gram: os golfinhos do norte para o sul e as baleias, do sul para o norte, em Abrolhos, para o perí­odo de reprodução. Além disso, a cidade está num cabo, uma ponta que adentra o oceano, o que fa­cilita a visualização – pondera o especialista.

Ainda assim, a grande incidência dos cetáceos na região tem desper­tado o interesse dos pesquisadores. Um grupo do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamí­feros Aquáticos do ICM-Bio vem da Ilha de Itamaracá, Pernambuco, para estudar o assunto.

 – Já existem pesquisas e le­vantamento de informações sobre isso. Os pescadores têm falado que existe um número maior desses animais e, como eles estão acostu­mados, confiamos na informação – diz a chefe do ICM-Bio local, Vivianne Lasmar.

* Matéria completa na ediçao deste fim de semana da Folha dos Lagos.