Assine Já
domingo, 05 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53720 Óbitos: 2188
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6584 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15618 902
Iguaba Grande 5572 147
São Pedro da Aldeia 7051 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
ECONOMIA

Bacia de Campos deve receber investimento de US$ 400 milhões de multinacional de petróleo

Os investimentos deverão acontecer até 2024 e, juntamente com a extensão da vida útil dos campos até 2040, têm o potencial de gerar milhares de empregos diretos e indiretos no setor

28 março 2021 - 12h18Por Redação

A multinacional francesa de petróleo Perenco pretende investir US$ 400 milhões no Rio de Janeiro até 2024. A informação foi dada em reunião realizada nesta terça-feira (23), entre representantes do Governo do Rio e da multinacional. Com presença em 14 países de cinco continentes, a Perenco é operadora dos campos de produção de petróleo de Carapeba, Pargo e Vermelho, comprados da Petrobras em 2019. Todos são campos maduros localizados em águas rasas da Bacia de Campos, no litoral do Rio de Janeiro.

Para o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais, Leonardo Soares, os investimentos da Perenco confirmam um horizonte positivo para a indústria de petróleo no Rio de Janeiro e, principalmente, a expectativa de geração de empregos, arrecadação de impostos e royalties para o Estado e municípios.

– Mais da metade dos fornecedores nacionais da Perenco estão localizados no Rio de Janeiro,  são 65%. Isso demonstra um comprometimento com a indústria local e com o estado. Além disso, ainda há muito óleo para ser extraído nesse tipo de ativo, que já possui reservatórios descobertos e infraestrutura instalada, o que pode atrair empresas nacionais e internacionais de todos os portes e beneficiar municípios como Campos dos Goytacazes, Macaé e Rio das Ostras – afirmou Soares, que destacou o lançamento, na semana passada, do Programa de Revitalização e Incentivo à Produção de Campos Marítimos (Promar).

Segundo o diretor de Relações Institucionais da Perenco, Leonardo Caldas, os recursos serão utilizados para revitalizar os ativos, com fortes investimentos na substituição de dutos (para restaurar a capacidade de escoamento da produção), na reforma de plataformas de produção, na recuperação de poços e na atualização de sistemas de processamentos.

– Nosso plano de desenvolvimento prevê investimentos firmes da ordem de US$ 193 milhões e mais US$ 200 milhões contingentes, que podem fazer os investimentos totais atingirem US$ 393 milhões até 2024 – afirmou Caldas.

O diretor destacou os avanços obtidos pela empresa em um curto período de atuação.

– Em 2019, quando compramos e começamos a operação, esses campos produziam cerca de 3 mil barris de petróleo por dia. Um ano e meio depois conseguimos alcançar a produção de 5 mil. Além disso, já revitalizamos duas de seis plataformas e conseguimos, junto à ANP, a extensão do contrato de concessão até 2040. Esse é um ativo robusto, bem desenvolvido e de alto potencial, com mais de 200 poços perfurados e apenas 13 abertos - explicou Caldas.

– Nosso objetivo é revitalizar o campo e retomar o patamar de produção de 2015, entre 15 e 20 mil de barris de petróleo dia, aumentando o fator de recuperação dos poços – adiantou.

Os investimentos deverão acontecer até 2024 e, juntamente com a extensão da vida útil dos campos até 2040, têm o potencial de gerar milhares de empregos diretos e indiretos no setor, sobretudo no Norte Fluminense e, principalmente, em Macaé. 

– A oportunidade de desenvolvimento dos ativos representa um objetivo comum entre o estado do Rio e a Perenco no sentido de movimentar a economia, gerando arrecadação, emprego, renda e riquezas para a sociedade fluminense – reforçou o diretor geral da Perenco, Yves Postec.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Econômico, desde 2015 os municípios de Campos dos Goytacazes e Macaé perderam 50 mil empregos em diversos setores, devido à política de desinvestimento da Petrobras na Bacia de Campos.

– Essa é uma oportunidade para a região recuperar esses empregos – concluiu.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.