Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Auxilio

Auxílio-doença pode sair hoje

Ordem de pagamento já estaria no banco, mas falta aval da Prefeitura

12 agosto 2015 - 08h02

RODRIGO BRANCO

 

O calvário dos servidores com o auxílio-doença pode acabar ainda hoje. Isso porque, segun­do informações de fontes liga­das ao Instituto de Benefícios e Assistência aos Servidores Mu­nicipais de Cabo Frio (Ibascaf), o benefício, atrasado há 13 dias, pode ser liberado nas próximas horas. A ordem de pagamento, inclusive, estaria no Banco do Brasil, mas pendente pela auto­rização da Prefeitura.

No entanto, enquanto o di­nheiro não sai, os beneficiários seguem em apuros, aguardando uma rápida solução para o pro­blema. Uma funcionária da Pre­feitura que pediu para não ser identificada e foi operada recen­temente tem sofrido não apenas com as constantes viagens para os procedimentos pós-operató­rios, mas com as despesas do tratamento.

– Passamos por dificuldades. Os remédios custam caro, mais de R$ 200 – disse.

 

                                                      

                                                 Precisando colocar as contas em dia, Débora Naval aguada o pagamento do benefício

 

Personagem do drama estam­pado na capa da Folha da última quinta-feira, José Gessé da Silva Santos, 58, está tendo que re­correr às irmãs para comprar os remédios para o tratamento car­díaco que faz, após um infarto sofrido em outubro. Mesmo com aluguel atrasado, ele saiu da casa da sobrinha e voltou para o Jar­dim Esperança.

– Elas estão comprando os re­médios no cartão. Estou deven­do a elas. Não sei o que fazer. Acho que vou recorrer ao Minis­tério Público se o dinheiro não sair. Minha dívida só aumenta – desespera-se.

Ciente do caso de Gessé, o presidente do Sindicato dos Pro­fissionais de Saúde Cabo Frio (SindSaúde), Gelcimar Almei­da, o Mazinho, pretende pres­sionar a presidente do Instituto, Reuza Maria Soares. Na manhã de hoje, durante reunião do Con­selho Fiscal, Mazinho pretende articular junto aos demais con­selheiros um encontro para bus­car uma solução para o atraso.

– Isso é desumano. No mo­mento que mais precisa, não é feito o pagamento na data corre­ta. É uma falta de respeito muito grande – comentou Mazinho.

Procurada, a assessoria da Prefeitura não atendeu a repor­tagem para comentar o assunto.