Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Servidores

Auxílio-doença atrasa e servidores agonizam

Dinheiro que não vem faz falta para comprar remédios

06 agosto 2015 - 09h29
Auxílio-doença atrasa e servidores agonizam

Rodrigo Branco

 

 

A via-crúcis do servidor pú­blico municipal José Gessé da Silva Santos, 58, começou há nove meses, em novembro do ano passado, quando sofreu um infarto agudo do miocárdio e precisou ser afastado do traba­lho, no setor de transporte da Secretaria de Saúde.

Após passar por uma angio­plastia e um cateterismo, Gessé sobreviveu à enfermidade, mas, com o pagamento do auxílio-doença de R$ 1.100 atrasado há uma semana, o motorista tem passado por sérios problemas financeiros, inclusive com difi­culdade para comprar alimentos e remédios.

Assim como Gessé, todos os servidores que recebem o bene­fício ainda estão sem o dinheiro na conta, totalizando uma dívi­da de R$ 300 mil. Segundo ele, a justificativa dada é a mesma usada para outros percalços do município: crise econômica e falta de recursos.

Mas para o servidor concur­sado, com quase 30 anos de ser­viços prestados ao município, o caso ganhou contornos de humi­lhação, afinal ele passou toda a manhã e parte da tarde de ontem na sede do Instituto de Benefí­cios e Assistência aos Servidores Municipais de Cabo Frio (Ibas­caf), em São Cristóvão, de onde saiu sem dinheiro, nem prazo para uma solução. De concreto, apenas a promessa de um e-mail para o prefeito Alair Corrêa (PP) e para o secretário de Fazenda, Axiles Corrêa, na tentativa de resolver a questão.

– Deveria ter sido pago junto com os funcionários da Prefei­tura no dia 30. Estou sem pagar o aluguel e na minha geladeira só tem água. Isso é muito humi­lhante para quem trabalhou uma vida inteira, mas eu sou de Deus, vou ficar na paz. Com esse Go­verno só orando que passe rápi­do – lamenta o servidor.

Procurada para falar sobre o assunto, a presidente do insti­tuto, Reuza Maria Soares não quis receber a reportagem, limi­tando-se a mandar recado pelo procurador da instituição: “Não tenho nada para conversar”.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (6)