Assine Já
sábado, 23 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
REFLEXOS DA GUERRA

Aumento nos preços dos combustíveis é efeito colateral do conflito entre EUA e Irã

De acordo com dados da ANP, o litro da gasolina chega a ser vendido a R$5,30 em Cabo Frio

08 janeiro 2020 - 21h05Por Rodrigo Branco

Já nas alturas, os preços dos combustíveis cobrados nos postos de Cabo Frio também devem ser afetados pela crise no Oriente Médio. De acordo com dados da ANP, o litro da gasolina chega a ser vendido a R$5,30 no município, um dos maiores valores praticados no estado do Rio de Janeiro. 

O presidente da Ompetro e prefeito de Campos, Rafael Diniz, atenta para uma questão de mercado para advertir sobre os impactos econômicos de uma eventual guerra.

– No Brasil, existe uma preocupação com o valor do combustível até porque a política de preço da Petrobras é de livre mercado, então os preços podem subir cada vez mais – explica.

A situação já penaliza os motoristas, que precisam adotar estratégias para não ter o orçamento doméstico inviabilizado.

A jornalista Grace Marinho mora no Rio, mas visita frequentemente Cabo Frio. Segundo ela, como os preços na Zona Oeste são semelhantes aos cobrados na Região dos Lagos, o segredo é abastecer o carro na estrada. Enquanto está na cidade, Grace também adota um meio de transporte alternativo e ecologicamente sustentável. 

– O preço não está muito diferente do Rio. No Recreio os preços são os mesmos. Oque eu faço? Abasteço no caminho, aí sim é mais em conta. E encho o tanque para não precisar abastecer na cidade quando for ao Rio. De novo no caminho, eu abasteço. E aqui ando muito a pé e de bike. A cidade tá cheia e a gente acaba gastando muito combustível – ensina.

Trabalhador que depende do combustível, o taxista Josemário Miranda também precisa usar da criatividade para não ficar no vermelho. Presidente do sindicto da categoria, Baiano, como é conhecido, se vale de convênios com alguns postos da cidade para pagar com desconto.

 Além disso, segundo ele, boa parte da frota fez a conversão para o gás natural veicular, o chamado GNV, embora, nesse caso, alívio não seja tão grande assim. 

– No Rio, o GNV é R$ 0,70 a R$ 1 mais barato. Aqui em Cabo Frio há um cartel e precisa de uma fiscalização mais atuante do Procon. Se não quem vai sofrer mais é a gente. Eu abasteço GNV três vezes por dia e gasto, em média, uns R$ 100 – comenta. 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.