Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22503 Óbitos: 742
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2960 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6068 247
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Taxa Ambiental

Audiência Pública discutirá Taxa Ambiental de Arraial

Prefeito Renatinho Vianna admite alterações no projeto de lei que já foi aprovado pela Câmara

05 maio 2017 - 10h19Por Texto: Rodrigo Branco | foto: Divulgação PMAC
Audiência Pública discutirá Taxa Ambiental de Arraial

O prefeito de Arraial do Cabo, Renatinho Vianna, afirmou que pretende realizar uma audiência pública antes de colocar em prática a Taxa de Preservação Ambiental (TPA). O projeto de lei de autoria do Poder Executivo foi enviado para a Câmara Municipal e aprovado no último dia 13, mas Renatinho admite que podem ser feitas adequações. Segundo ele, a maior parte das alterações ou inclusões pode ser feita por meio de decretos. Até mesmo por essa razão, ainda não há prazo para que a cobrança entre em vigor.

– O intuito é, além de preservar o que Arraial do Cabo tem de melhor, arrecadar para a Fundação de Meio Ambiente e para Secretaria de Meio Ambiente, além de fortalecer a Guarda Ambiental. E sempre com a preocupação de ter uma compensação por causa do turista que vem, deixa o lixo e não gere receita para a cidade – explicou o prefeito à reportagem.

Um dos pontos que devem ser incluídos no projeto é estender a isenção de pagamento do ‘pedágio’ aos moradores das cidades da região. O projeto original, a que a Folha teve acesso, fala apenas de ‘veículos de pequeno porte emplacados de trabalhadores de outros municípios vizinhos, previamente cadastrados mediante contrato de trabalho ou CTPS assinada’.

Pela tabela, motos e bicicletas motorizadas terão que pagar R$ 2; carros de passeio, R$ 13; caminhões, R$ 68 e ônibus, R$ 125. O pagamento poderá ser feito em dinheiro, cheque ou cartão. A cobrança será feita pela Prefeitura, mas a lei abre caminho para que isso também possa ser feito por empresa terceirizada escolhida em licitação.

Os valores dão direito a entrar e sair da cidade durante um período de 24 horas. Do montante arrecadado, 20% dos recursos serão destinados ao Fundo do Meio Ambiente; 10% para a Fundação do Meio Ambiente e 5% para a gestora da Reserva Extrativista de Arraial. A Apae de Arraial também será beneficiada, com 1,5% do valor arrecadado. O prefeito pretende implantar modelo de cobrança semelhante ao aplicado em Bombinhas (SC), Maceió (AL) e na vizinha Búzios. O restante do montante não está especificado no projeto.

– O objetivo é tornar Arraial do Cabo autossustentável. Com a crise do petróleo, essa medida vai solucionar os problemas de Arraial do Cabo no futuro. Pessoas que têm batido no projeto chegarão a essa conclusão em breve – acredita o prefeito.