Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Associação de Hotéis

Associação de Hotéis teme por desorganização da cidade na alta temporada

Mas presidente Carlos Cunha está otimista com movimento durante Olimpíadas

29 junho 2016 - 11h06Por Moacir Cabral
Associação de Hotéis teme por desorganização da cidade na alta temporada

Cruel recessão é o que define o momento atual da hotelaria de Cabo Frio. Mas nem por isso o mau humor se expande e muito menos a turbulência significa caos. Ainda bem, a esperança prevalece e a expectativa é de novos ares a partir desta sexta, o primeiro dia de julho. O presidente do Sindicato dos Empresários de Hotéis e Restaurantes, Carlos Cunha, fala em ocupação variando de 70 a 80%, podendo ultrapassar, fruto das férias escolares e das Olimpíadas.

Ao mesmo tempo, o líder do setor hoteleiro reforça o repúdio dos empresários da cidade contra o prefeito Alair Corrêa (PP) e a morosidade na quitação do pagamento dos servidores municipais, o que influi, é claro, na circulação de dinheiro no comércio local. Carlos Cunha, nesta entrevista, também fala de sua preocupação com a próxima alta temporada, uma vez que o prefeito a ser eleito em outubro próximo irá assumir somente no primeiro dia de janeiro.

Folha dos Lagos - Qual é a expectativa da hoteleira para os meses de julho e agosto?
Carlos Cunha –
O otimismo é alto, pois em julho teremos as férias escolares em Minas e São Paulo e, em agosto, no Rio de Janeiro. Com isso, esperamos não só ter a segunda quinzena de julho de boa ocupação, mas um mês e meio de movimentação elevada.

Folha – O Convention Bureau trabalha o turista da Olimpíada. Você acredita que o fluxo poderá ser maior do que o da Copa do Mundo? Carlos Cunha – Certamente o fluxo será maior que na Copa do Mundo, pois o evento estará concentrado no Rio, muito próximo à nossa cidade. Tanto as instituições privadas como a secretaria estadual de Turismo estão em campanha para tentar fazer o visitante circular pelo interior. Temos também os cariocas que, tradicionalmente, fogem da cidade nestas épocas.

Folha – Cabo Frio teve crise de gestão ao ponto de ser extinta a secretaria de Turismo. O que o setor tem feito quanto a isso?
Carlos Cunha –
A secretaria faz muita falta. Funcionando como superintendência, tem feito bom trabalho de divulgação do destino através de parcerias, mas sem verba tudo fica mais difícil. O trade local está unido pedindo pela volta da secretaria e a instalação do Conselho Municipal de Turismo.

Folha – A Acia se reuniu e fez um repudio ao prefeito Alair Corrêa pelo atraso do salário do servidor, o que influi, é claro, na circulação de dinheiro na cidade. Os hoteleiros apoiam a Acia?
Carlos Cunha –
Tanto os hoteleiros quanto os proprietários de restaurantes e bares de Cabo Frio que representamos através do SEHR Cabo Frio (Sindicato dos Empresários de Hotéis e Restaurantes) apoiam a ação da Acia. Vivemos um momento histórico de apoio mútuo entre as entidades. Nunca antes na história se viu as lideranças dos diversos setores de nossa cidade tão unidas.

Folha – Em meio a tanta turbulência, qual é a ocupação esperada para julho e agosto?
Carlos Cunha –
Esperamos uma taxa de ocupação entre 70 e 80% para esses meses, a partir da segunda quinzena de julho.

Folha – Qual será o impacto do inventário turístico que é realizado em municípios fluminenses, entre eles Cabo Frio?
Carlos Cunha –
O inventário é importante para podermos mensurar nossa oferta. Hoje temos levantamento ultrapassado, não sabemos o número exato de leitos existentes visto que a todo dia abre ou fecha hotel. Precisamos ter o cuidado de não deixar o crescimento desordenado do setor, sob pena de vermos empresários falindo pelo excesso de concorrência e falta de clientes.

Folha – O setor hoteleiro vai se posicionar nas eleições municipais deste ano?
Carlos Cunha –
Sempre nos posicionaremos a favor da cidade e do turismo de qualidade. Não podemos empunhar bandeiras partidárias, pois somos muitos e cada um tem a sua preferência pessoal. Como representantes de um segmento, temos que nos manter neutros na disputa, mas obviamente temos as nossas preferências.

Folha – O novo governo que virá vai assumir em plena alta temporada. Isso o preocupa?
Carlos Cunha –
Certamente! O desafio será grande. Não vejo como ter uma temporada organizada com um novo gestor chegando no meio dela. É necessário um período de transição. O ideal seria que a equipe do novo governo já estivesse inserida no contexto a partir do resultado das eleições em outubro, mas isso é impossível no atual cenário de guerra política que a cidade vive.