Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
plano de mobilidade urbana

Asaerla pressiona Prefeitura acerca da mobilidade urbana

Secretário afirma ter plano para rede de ciclovias em Cabo Frio

16 julho 2015 - 09h41

Quem anseia por uma malha cicloviária integrada – e não com ciclovias avulsas espalhadas pela cidade – em Cabo Frio pode ter esperança. Segundo o secretário municipal de Transporte, Victor Moreira, existe um projeto para integrar as ciclovias já existentes em rede e assim facilitar a vida do ciclista da cidade, levando a ele não só praticidade, mas também segurança. A informação vem em hora opor- tuna, já que os últimos meses registraram um número alto de morte de ciclistas no município.

No entanto, a sinalização do secretário chega tarde, mais precisamente três meses depois do corte da verba federal para reformas de mobilidade urbana, em função do não cumprimento à lei n° 12.587, de 3 de janeiro de 2012. A lei determina que os municípios que não cumpriram os prazos estabelecidos têm que usar verbas municipais para as futuras reformas.

Em função disso, o engenheiro civil e presidente da Associação dos Arquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos (Asaerla), Luciano Silveira – responsável por fiscalizar os planos municipais –, cobra atitudes da Prefeitura no planejamento urbano da cidade.

– A Asaerla quer um posicionamento da Prefeitura. Eles não podem falar que vão criar ciclovias sem fazer um planejamento e nem colocar uma ciclovia na uma rua sem pensar no impacto que isso causará para o trânsito. Nós queremos explicar que não adianta só colocar ciclovias, tem que ter um plano – afirma ele.

Na Região dos Lagos, a lei n° 12.587 foi cumprida apenas por Búzios e Rio das Ostras. A lei determina que haja a integração entre diferentes modos de trans- portes e a melhoria de acessibilidade e mobilidade.

– A Prefeitura pode usar as verbas do município para as reformas, mas vai gastar um dinheiro que poderia ser usado em outras coisas. Se o plano fosse cumprido, a Prefeitura usaria a verba federal sem precisar gastar outros recursos. É apenas uma questão de gestão – disse.

Com o objetivo de contribuir para o acesso à cidade, o planejamento urbano poderia servir como auxílio nas obras de melhoria da integração municipal. Além de possibilitar a redução nos acidentes com ciclistas – visto que com um plano seria possível a criação de uma rede cicloviára segura – a mobilida- de urbana serve para contribuir com os meios de transporte e com os pedestres. No entanto, é preciso investir nos locais apropriados para evitar que ciclovias sejam feitas sem fundamento.

– Não adianta querer investir e não planejar. Vai ser igual ao que acontece nas Palmeiras, onde tem ciclovias que ligam nada a lugar nenhum. A ciclovia tem que ser integrada e ajudar a massa trabalhadora da cidade que utilizam a bicicleta para se locomover – explica.

Além disso, de acordo com Luciano, a falta de um programa só causa mais prejuízo para o governo. Segundo ele, a Prefeitura é obrigada a fazer remendos que não teriam necessidade se houvesse um melhor planejamento.

– Um exemplo disso é na obra na Estrada da Integração. Na construção de 14 quilômetros poderia ter uma ciclovia integrada. Bas- tava fazer mais 1,5m e as pessoas poderiam usar a ciclovia como um local de transporte seguro. Se forem fazer alguma coisa, agora, terão que fazer um remendo.