Assine Já
sábado, 11 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3380 Óbitos: 195
Suspeitos: 344 Confirmados: 3380 Óbitos: 195
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1035 63
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
plano de mobilidade urbana

Asaerla pressiona Prefeitura acerca da mobilidade urbana

Secretário afirma ter plano para rede de ciclovias em Cabo Frio

16 julho 2015 - 09h41

Quem anseia por uma malha cicloviária integrada – e não com ciclovias avulsas espalhadas pela cidade – em Cabo Frio pode ter esperança. Segundo o secretário municipal de Transporte, Victor Moreira, existe um projeto para integrar as ciclovias já existentes em rede e assim facilitar a vida do ciclista da cidade, levando a ele não só praticidade, mas também segurança. A informação vem em hora opor- tuna, já que os últimos meses registraram um número alto de morte de ciclistas no município.

No entanto, a sinalização do secretário chega tarde, mais precisamente três meses depois do corte da verba federal para reformas de mobilidade urbana, em função do não cumprimento à lei n° 12.587, de 3 de janeiro de 2012. A lei determina que os municípios que não cumpriram os prazos estabelecidos têm que usar verbas municipais para as futuras reformas.

Em função disso, o engenheiro civil e presidente da Associação dos Arquitetos e Engenheiros da Região dos Lagos (Asaerla), Luciano Silveira – responsável por fiscalizar os planos municipais –, cobra atitudes da Prefeitura no planejamento urbano da cidade.

– A Asaerla quer um posicionamento da Prefeitura. Eles não podem falar que vão criar ciclovias sem fazer um planejamento e nem colocar uma ciclovia na uma rua sem pensar no impacto que isso causará para o trânsito. Nós queremos explicar que não adianta só colocar ciclovias, tem que ter um plano – afirma ele.

Na Região dos Lagos, a lei n° 12.587 foi cumprida apenas por Búzios e Rio das Ostras. A lei determina que haja a integração entre diferentes modos de trans- portes e a melhoria de acessibilidade e mobilidade.

– A Prefeitura pode usar as verbas do município para as reformas, mas vai gastar um dinheiro que poderia ser usado em outras coisas. Se o plano fosse cumprido, a Prefeitura usaria a verba federal sem precisar gastar outros recursos. É apenas uma questão de gestão – disse.

Com o objetivo de contribuir para o acesso à cidade, o planejamento urbano poderia servir como auxílio nas obras de melhoria da integração municipal. Além de possibilitar a redução nos acidentes com ciclistas – visto que com um plano seria possível a criação de uma rede cicloviára segura – a mobilida- de urbana serve para contribuir com os meios de transporte e com os pedestres. No entanto, é preciso investir nos locais apropriados para evitar que ciclovias sejam feitas sem fundamento.

– Não adianta querer investir e não planejar. Vai ser igual ao que acontece nas Palmeiras, onde tem ciclovias que ligam nada a lugar nenhum. A ciclovia tem que ser integrada e ajudar a massa trabalhadora da cidade que utilizam a bicicleta para se locomover – explica.

Além disso, de acordo com Luciano, a falta de um programa só causa mais prejuízo para o governo. Segundo ele, a Prefeitura é obrigada a fazer remendos que não teriam necessidade se houvesse um melhor planejamento.

– Um exemplo disso é na obra na Estrada da Integração. Na construção de 14 quilômetros poderia ter uma ciclovia integrada. Bas- tava fazer mais 1,5m e as pessoas poderiam usar a ciclovia como um local de transporte seguro. Se forem fazer alguma coisa, agora, terão que fazer um remendo.