Assine Já
sábado, 15 de agosto de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
18ºmin
Alerj
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 5271 Óbitos: 305
Confirmados Óbitos
Araruama 846 62
Armação dos Búzios 388 9
Arraial do Cabo 132 12
Cabo Frio 1751 100
Iguaba Grande 427 26
São Pedro da Aldeia 796 44
Saquarema 931 52
Últimas notícias sobre a COVID-19
falta de vacinas

Às portas do carnaval, estoque de vacinas preocupa

Em Arraial do Cabo e Cabo Frio falta contra tétano, raiva, hepatite e difteria

20 janeiro 2016 - 09h36
Às portas do carnaval, estoque de vacinas preocupa

O caos nos hospitais da Região dos Lagos parece um poço sem fundo. Em Cabo Frio e Arraial do Cabo, a estimativa é de que vacinas de rotina, como antitetânica, antirrábica e contra difteria e hepatite A só durem até o fim do mês. O problema também atinge outros municípios da região. O motivo é a ausência de repasse do produto pelo Ministério da Saúde, que admitiu dificuldades em conseguir manter os estoques das unidades públicas.

– Estamos na mesma situação de toda a região: com estoque mínimo e que só deve durar até o fim do mês. No Carnaval usa-se mais antitetânica (cortes provocados por pregos, cacos de vidro etc) e antirrábica (contra mordida de animais, que pode provocar raiva) – explicou Diego Mendonça, coordenador de Imunização de Arraial do Cabo.

Segundo ele, não há previsão para normalizar o fornecimento. Em Arraial do Cabo e Cabo Frio falta contra tétano, raiva, hepatite e difteria Em média, Arraial recebe 600 doses de antitetânica por mês, mas nos últimos três meses apenas 50 foram enviadas à Secretaria de Saúde. Quanto à antirrábica, das cerca de 100 doses mensais, só foram entregues cerca de 70%.

Ontem, a empresária Andrea Fialho, 40 anos, não encontrou a antitetânica no Hospital Geral da cidade. O medicamento seria para o irmão, que furou o dedo manuseando uma furadeira. Ela também reclamou do atendimento da médica, que teria criticado o acidente.

– Me sinto lesada, impotente diante de uma situação que somos tratados de qualquer jeito. Ela não se preocupou em medicar – queixou-se.

Em Cabo Frio, a situação não é diferente e a prioridade de atendimento é para grávidas em fim de gestação. De acordo com a enfermeira Amanda Mesquita, do Programa de Imunização Municipal, a proteção contra a raiva terminou esta semana.

– O estoque está praticamente zerado, não temos quase nada. O que resta de antitetânica está sendo usado conforme cadastro que está sendo feito nas unida- des de saúde para grávidas que estão na fase final de gestação. Este mês já pedimos, mas ainda não recebemos nada – explicou.