Assine Já
sábado, 24 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
falta de vacinas

Às portas do carnaval, estoque de vacinas preocupa

Em Arraial do Cabo e Cabo Frio falta contra tétano, raiva, hepatite e difteria

20 janeiro 2016 - 09h36
Às portas do carnaval, estoque de vacinas preocupa

O caos nos hospitais da Região dos Lagos parece um poço sem fundo. Em Cabo Frio e Arraial do Cabo, a estimativa é de que vacinas de rotina, como antitetânica, antirrábica e contra difteria e hepatite A só durem até o fim do mês. O problema também atinge outros municípios da região. O motivo é a ausência de repasse do produto pelo Ministério da Saúde, que admitiu dificuldades em conseguir manter os estoques das unidades públicas.

– Estamos na mesma situação de toda a região: com estoque mínimo e que só deve durar até o fim do mês. No Carnaval usa-se mais antitetânica (cortes provocados por pregos, cacos de vidro etc) e antirrábica (contra mordida de animais, que pode provocar raiva) – explicou Diego Mendonça, coordenador de Imunização de Arraial do Cabo.

Segundo ele, não há previsão para normalizar o fornecimento. Em Arraial do Cabo e Cabo Frio falta contra tétano, raiva, hepatite e difteria Em média, Arraial recebe 600 doses de antitetânica por mês, mas nos últimos três meses apenas 50 foram enviadas à Secretaria de Saúde. Quanto à antirrábica, das cerca de 100 doses mensais, só foram entregues cerca de 70%.

Ontem, a empresária Andrea Fialho, 40 anos, não encontrou a antitetânica no Hospital Geral da cidade. O medicamento seria para o irmão, que furou o dedo manuseando uma furadeira. Ela também reclamou do atendimento da médica, que teria criticado o acidente.

– Me sinto lesada, impotente diante de uma situação que somos tratados de qualquer jeito. Ela não se preocupou em medicar – queixou-se.

Em Cabo Frio, a situação não é diferente e a prioridade de atendimento é para grávidas em fim de gestação. De acordo com a enfermeira Amanda Mesquita, do Programa de Imunização Municipal, a proteção contra a raiva terminou esta semana.

– O estoque está praticamente zerado, não temos quase nada. O que resta de antitetânica está sendo usado conforme cadastro que está sendo feito nas unida- des de saúde para grávidas que estão na fase final de gestação. Este mês já pedimos, mas ainda não recebemos nada – explicou.