Assine Já
terça, 11 de agosto de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 4925 Óbitos: 287
Confirmados Óbitos
Araruama 820 56
Armação dos Búzios 372 9
Arraial do Cabo 120 12
Cabo Frio 1661 97
Iguaba Grande 334 23
São Pedro da Aldeia 754 39
Saquarema 864 51
Últimas notícias sobre a COVID-19
NO HORIZONTE

Arraial se prepara para retomada turística com selo para empreendedores, mas ainda não há prazo para flexibilização

Município lançou selo 'Arraial Limpo e Seguro' para identificar quem segue orientações de prevenção ao Covid-19

10 julho 2020 - 13h48Por Redação

Enquanto Cabo Frio e Búzios anunciaram a retomada das atividades turísticas, a prefeitura de Arraial do Cabo ainda mantém as restrições, mas começou a se preparar para seguir o movimento através do lançamento do selo ‘Arraial Limpo e Seguro’. O objetivo é identificar os profissionais de turismo e empreendimentos que seguem as orientações de prevenção ao Covid-19 contidas nos decretos municipais e na cartilha Arraial Limpo e Seguro. Em entrevista à Folha, o secretário de Turismo e Eventos, Olavo Carvalho, prefere não cravar um prazo para a flexibilização no segmento. “Estamos trabalhando”, diz. 

No entanto, segundo ele, o município levará ao Ministério Público, em duas semanas, os números de casos confirmados e de óbitos. A partir disso, será avaliada a possibilidade de retomada do turismo. Em Cabo Frio, as reservas para pousadas e hotéis estão liberadas a partir do dia 15 deste mês, desde que o município se mantenha na zona laranja de controle à pandemia. Em Búzios, a liberação começa em agosto. “Vamos aprendendo com os erros deles, para não cometermos os mesmos. Estamos no nosso tempo”, afirma o secretário cabista.

Folha dos Lagos – Como foi idealizado o selo Arraial Limpo e Seguro?

Olavo Carvalho – Logo que começou a pandemia, fomos para home office e continuamos mantendo o ritmo acelerado de trabalho. Começamos a fazer pesquisas em destinos da Europa, Ásia e Oceania que já tinham passado pelo pico da pandemia. Procuramos saber sobre seus protocolos de reabertura. Encontramos em Portugal um selo bem fácil de se adequar à nossa realidade. Trouxemos todas essas informações para cá. Então, nos juntamos com as associações: turismo náutico, hotéis, comercial e Convention Bureau. Distribuímos para elas a responsabilidade de montarmos um protocolo juntos. Passamos pré-cartilhas onde já tínhamos numerados diversos procedimentos de protocolos sanitários. Eles adequaram e nos indicaram outros protocolos. Construímos o selo de maneira participativa, a 200 mãos. 

Folha – Qual o objetivo?
Olavo – O turista se sente seguro ao saber que o empreendimento, o barco, o restaurante, o hotel tem esse selo. Ele garante qualidade de atendimento dentro dos protocolos de atendimento internacionais. Temos um marketing para que pessoas do mundo inteiro saibam que a gente tem um selo de qualidade sanitária seguido pela grande maioria dos operadores de turismo. Criamos o site  www.arraial.rj.gov.br/seloarraial. O empresário se cadastra por lá, recebendo um certificado. E tem também a exposição da marca no site com link direcionado para as páginas dele. Recomendamos ao turista que compre com as empresas que tenham o selo. A adesão tem sido em massa, desde guias de turismo a operadores hoteleiros e pessoal do turismo náutico.

Folha - Como será a fiscalização para saber quem está seguindo as normas do selo?

Olavo – A Vigilância Sanitária é a responsável pela fiscalização, mas criamos um dispositivo onde cliente vai poder avaliar o estabelecimento, na nossa página do selo. Com isso, o próprio cliente  vai ser um fiscal do estabelecimento. 

Folha – Cabo Frio e Búzios se movimentaram para a reabertura dos hotéis e pousadas. Há alguma expectativa de Arraial seguir o mesmo caminho nas próximas semanas?

Olavo –Tentamos fazer uma parceria para decisões em conjunto. Não conseguimos. Aguardamos os dois municípios. Vamos aprendendo com os erros deles, para não cometermos os mesmos. Estamos no nosso tempo. Temos poucos casos de contaminação e de óbitos.  Temos 14 dias pela frente para voltar ao Ministério Público levando os números da avaliação de contaminação e óbito. A partir daí, vamos passar por um novo processo e, no final, retomar a atividade turística abrindo as fronteiras da cidade, mas sempre de maneira limpa e segura, dando toda tranquilidade para quem trabalha na cidade e para quem chega.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.