Assine Já
segunda, 13 de julho de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
PARÓQUIAS DA REGIÃO INCLUÍDAS

Arquidiocese de Niterói libera reabertura de igrejas

No entanto, funcionamento para celebrações depende dos decretos de cada município

30 junho 2020 - 18h18Por Rodrigo Branco

A Arquidiocese de Niterói, responsável pelas paróquias de 14 municípios, incluindo os da Região dos Lagos, liberou a reabertura gradual das igrejas e templos católicos para missas e celebrações, depois de mais de três meses, desde o começo da pandemia de Covid-19. Contudo, segundo o documento assinado pelo cardeal arcebispo José Francisco Rezende Dias, a retomada das atividades litúrgicas presenciais depende dos decretos em vigor em cada município.

Enquanto em Cabo Frio e Arraial do Cabo, o funcionamento dos templos com público está proibido; em Iguaba Grande, Araruama, Saquarema e São Pedro da Aldeia, as celebrações estão permitidas, desde que obedeçam a protocolos sanitários e de distanciamento definidos por cada um dos municípios. Em Búzios, a liberação está próxima, visto que a Prefeitura tem feito cursos para os líderes religiosos, sobre as medidas de segurança a serem adotadas.

Segundo o decreto da Arquidiocese, as paróquias deverão seguir as regras das autoridades sanitárias de cada município. O documento orienta para que haja condições de limpeza adequadas em objetos de uso comum, como microfones, e nas instalações dos templos e igrejas, onde será obrigatório o uso de máscaras pelos fiéis.

O uso de materiais impressos será proibido. Na entrada, deverá haver controle de acesso dos fiéis, obedecendo à capacidade de lotação determinada em cada cidade. Além disso, pessoas com febre e sintomas de gripe, resfriado ou similares aos da Covid-19 deverão ser impedidas de assistir à celebração. Também na entrada, deverá ser oferecido álcool em gel para o público.

Entre outros pontos, o arcebispo determinou mudanças no decorrer das missas. Gestos tradicionais como dar as mãos durante a oração do Pai-Nosso e abraços estão proibidos.

Na Paróquia Nossa Senhora da Assunção, em Cabo Frio, uma das maiores da região, os funcionários passaram por treinamento, inclusive com a equipe de higienização do Hospital Santa Izabel. O mesmo aconteceu com funcionários de outras paróquias da cidade, como a de São Cristóvão e de Aquárius, no segundo distrito.

Conselho de Pastores de Cabo Frio espera sanção de lei

Assim como os católicos, as lideranças religiosas do segmento evangélico tratam o assunto com cautela. Um projeto que dá aos templos religiosos o status de serviço essencial foi aprovado na Câmara de Cabo Frio na semana passada, mas a lei ainda não foi sancionada pelo prefeito Adriano Moreno (DEM).

O prefeito estaria inclinado a permitir a reabertura dos templos, mas não sem entrar em acordo com o Ministério Público Estadual (MP-RJ). Segundo o presidente do Conselho de Pastores de Cabo Frio, Antônio Carlos Freire, a ideia é que o município siga os passos de São Pedro da Aldeia que também aprovou uma lei semelhante e depois teve a permissão de reabertura dada pelo governo municipal.

O religioso reconhece que algumas igrejas estão funcionando sem a permissão da Prefeitura, mas sem a concordância do Conselho.

– Vamos ajudar aqui em Cabo Frio com relação aos critérios que serão adotados, apesar de algumas igrejas, principalmente na periferia, no Jardim Esperança, no Porto do Carro, que estão funcionando, mas com cada responsabilidade particular, sem o nosso aval. Nossa posição é que não se abrirá os templos sem a autorização das autoridades competentes. Mais ou menos o que a diocese está fazendo é o que a gente sustenta, fala, orienta e aguarda. Vamos aguardar – conclui o religioso.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa. Ligue já ou envie mensagem pelo WhatsApp: (22) 99933-2196.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.