Assine Já
quarta, 08 de julho de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos: 307 Confirmados: 3144 Óbitos: 189
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 261 601 41
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 959 61
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 17 500 18
Saquarema 7 518 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
h1n1

Araruama faz treinamento com profissionais para combater H1N1

Município registra uma morte causada pelo vírus

21 agosto 2014 - 12h09

A Secretaria de Saúde de Araruama realiza a partir desta quinta-feira (21) diversas ações de prevenção no combate ao vírus H1N1 (gripe suína), atendendo às recomendações do Ministério da Saúde. Segundo o subsecretário de Saúde, Astor Bruno, até o momento foi confirmado somente um caso do H1N1 no município, que levou a óbito um morador do bairro Areal. O órgão não confirmou o diagnóstico de uma segunda morte na cidade causada pelo vírus. 

Segundo o subsecretário, o tratamento do paciente foi realizado no Hospital Estadual Roberto Chabo (HERC), onde foram feitos os exames laboratoriais e o caso de H1N1 foi confirmado. Bruno ressalta que possivelmente o paciente contraiu o vírus na Região Serrana do estado.  

- Os familiares e pessoas que tiveram contato com a vítima tomaram o medicamento Tamiflu e não desenvolveram a doença – disse o subsecretário

A partir desta sexta-feira (22), a secretaria fará um treinamento com médicos e enfermeiros para repassar o protocolo em relação ao tratamento do H1N1. De acordo com a secretária de Saúde, Rejane Silva, o município está em constante monitoramento com as orientações do Ministério da Saúde. A titular da pasta observa que em caso de diagnóstico confirmado o município dispõe do medicamento (Tamiflu) para tratamento.

A Secretaria de Saúde ainda recomenda que as pessoas que fazem parte do grupo prioritário (como crianças, idosos, gestantes, portadores de doenças crônicas, profissionais da saúde, mulheres com até 45 dias pós-parto), devem procurar uma Unidade Básica de Saúde para receberem a vacina contra a Influenza.

Como o período é caracterizado por diversas mudanças climáticas, justamente quando há picos de incidências virais, a secretaria adverte que, para combater a gripe, é recomendável seguir alguns cuidados. Entre eles está o de lavar as mãos várias vezes ao dia, evitar contato próximo as pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza, além manter os ambientes bem ventilados, evitar aglomerações e ambientes fechados, disse o subsecretário de Saúde.

Os principais sintomas da gripe H1N1 são: febre alta, repentina, acima de 38°C e tosse, acompanhadas ou não de dores de cabeça, musculares, nas articulações ou dificuldade respiratória (falta de ar) e dor de garganta.

Secretaria Estadual de Saúde informa que o primeiro sete meses de 2013, foram registrados 42 casos, dos quais nove pessoas morreram. A Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental, da Secretaria de Estado de Saúde, informa que entre os dias 1º de janeiro e 19 de agosto de 2014 foram registrados cinco casos de síndrome respiratória aguda por gripe H1N1 no estado, sendo um óbito confirmado (Araruama). 

Casos de gripe por H1N1 não são mais graves que os demais - Diante da queda nas temperaturas registradas nas últimas semanas, muitas pessoas podem começar a apresentar sintomas de gripe, tais como febre alta, coriza, tosse e dor no corpo. Ao perceber esses sinais, os pacientes devem procurar atendimento em uma unidade de saúde para receber avaliação médica e remédios para combater os sintomas - antitérmicos, por exemplo - e as causas do problema - os antivirais. O atendimento precoce é a principal arma para evitar complicações que podem ser causadas pela gripe.

Entre os diferentes tipos de gripe registrados no estado estão os casos de gripe tipo A, causados por alguns tipos de vírus Influenza A, dos quais o mais conhecido é o vírus H1N1, embora existam outros vírus que causam gripes. De acordo com o superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, embora provoque maior alarde entre a população, os casos de gripe provocados pelo vírus tipo H1N1 não têm se mostrado mais graves do que os demais casos de vírus Influenza.

- Os registros de casos de H1N1 não são mais ou menos graves do que os demais casos do vírus Influenza. A evolução da gripe está mais relacionada às características individuais dos pacientes do que ao vírus - explicou Chieppe.

Em virtude disso, o protocolo de atendimento aos pacientes com sintomas de gripe é o mesmo para todos os casos: avaliação clínica com fornecimento de medicação para os sintomas e, quando indicado pelo médico, do antiviral Oseltamivir, que foi disponibilizado para todas as secretarias municipais de saúde. Os cuidados para os profissionais de saúde que lidam com esse tipo de gripe são a utilização de equipamento de segurança individual, como luvas e máscaras.

O superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES ressalta que a melhor forma de prevenir a gripe é ficar atento às regras básicas de higiene, como cobrir a boca com um lenço ou com as mãos ao espirrar ou tossir e lavar as mãos com bastante frequência. Além disso, o ideal é evitar longas permanências em ambientes fechados e sem ventilação e a aglomeração de pessoas nesses ambientes. - A vacina protege contra os principais tipos de vírus da gripe, inclusive H1N1, de forma extremamente segura e eficaz - alega Chieppe.