Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7483 Óbitos: 397
Confirmados Óbitos
Araruama 1452 99
Armação dos Búzios 466 10
Arraial do Cabo 201 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 622 34
São Pedro da Aldeia 1153 50
Saquarema 1122 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
entrevista

Aquiles Barreto: 'Não sou puxa-saco. Se Marquinho errar, eu vou cobrar’

Mais votado na eleição, vereador reeleito do Solidariedade quer ‘unidade’ para ser presidente da Câmara

24 outubro 2016 - 23h15Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Aquiles Barreto: 'Não sou puxa-saco. Se Marquinho errar, eu vou cobrar’

 Campeão de votos em sua se­gunda eleição para vereador de Cabo Frio, Aquiles Barreto (SD) alcançou novo mandato com 2.766 votos. O desempenho, alia­do à vitória de Marquinho Men­des (PMDB), a quem é ligado, potencializa suas chances de pre­sidir o Legislativo a partir do ano que vem, mas ele provavelmente terá que disputar a condição com outros nomes, como o do expe­riente Luis Geraldo (PRB). Ape­sar de ser aliado de Marquinho, ele promete fiscalização.

– Precisamos de união para ti­rar a cidade do buraco – prega.

Folha dos Lagos – Esperava ser o vereador mais votado da cidade?

Aquiles Barreto – Acho que nosso nome foi uma esperança de reconstrução e de um futuro melhor para Cabo Frio. E o re­conhecimento do nosso manda­to. Andamos Cabo Frio inteira, de Tamoios ao Jardim. Tivemos boa votação em todos os lugares da cidade e isso demonstra que o nosso mandato teve repercussão em todas as pontas de Cabo Frio. Fico feliz pelo reconhecimento do nosso trabalho. Não nos de­ram apenas uma oportunidade, mas também uma responsabilida­de sendo o vereador mais votado.

Folha – Em que medida a crise do governo e sua atuação como líder da oposição tive­ram influência na sua votação?

Aquiles – Acredito que o nos­so trabalho de fiscalização, pon­tuando os problemas da cidade, sem fazer ataques pessoais, mas com números, foi reconhecido. A vontade que colocamos e a fiscalização que fizemos nos deu respaldo e, com certeza, a socie­dade entendeu que fomos uma voz ativa da oposição.

Folha – Que lição traz a re­novação na Câmara?

Aquiles – É o que tenho fala­do: os vereadores que entrarem devem ter humildade; é o mo­mento de a gente pensar na cida­de e de ter carinho para uma ci­dade melhor. Não é momento de falar de situação e oposição e sim de todos os vereadores eleitos se unirem para salvar e reconstruir Cabo Frio. Marquinho deveria ter uma Câmara ativa no seu iní­cio para que a gente possa fazer um bom mandato. O recado das urna é o seguinte: todo político ganha com grupo e ele deve ser valorizado, mas no primeiro mo­mento tem se colocar a cidade.

Folha – Sua votação e a elei­ção de Marquinho, a quem é ligado, o colocam com favori­tismo natural para presidência da Câmara. O que acha disso?

Aquiles – Presidente da Câ­mara eu serei no primeiro dia pelo fato de ser o mais votado e o nosso Regimento Interno nos diz que o mais votado assume e dá posse aos vereadores e ao prefei­to. Depois disso, tenho pregado a paz e o consentimento. Não acho que a gente tem que começar di­vidindo, mas somando. Coloco meu nome como outros também estão colocando, mas digo que só gostaria de ser presidente se tives­se unidade, que é o que a cidade precisa agora para gente possa ter um bom governo. Marquinho vai precisar de colaboradores aqui na Câmara para que possa iniciar um mandato de reconstrução e, pas­sado esse primeiro momento, as bandeiras políticas se levantam e cada um começa a se posicionar, mas com dados, fatos e números e não somente por ter a bandei­ra da oposição ou da Câmara ser respeitada novamente, pois está em descrédito junto à população.

Folha – Marquinho disse que quer uma ‘Câmara parcei­ra’. No seu caso, a população pode esperar a mesma postura combativa e fiscalizadora que teve no primeiro mandato?

Aquiles – Já me coloco à dis­posição do prefeito Marquinho para reconstruir a cidade. Acho que nosso grupo político pode ajudar a cidade a sair do buraco que está. Nosso grupo pode con­tribuir porque é honesto, capaci­tado e tem uma boa liderança na cidade. Entendo que Marquinho precisa de uma Câmara parceira, mas que saiba cobrar até porque você só cresce nos erros e sen­do cobrado. Não adianta passar a mão na cabeça do Marquinho e os secretários errarem admi­nistrativamente.É importante ter uma Câmara parceira, mas ativa, fazendo seu papel de fiscalizar. Quando um secretário errar, vou à tribuna cobrar. Se o Marquinho errar, vou à tribuna cobrar. Não sou puxa-saco de ninguém. Em primeiro lugar, sou a cidade de Cabo Frio.

Folha – Quais seus princi­pais projetos para o mandato?

Aquiles – Alair conseguiu ur­banizar nossa cidade. Marquinho conseguiu olhar o cidadão. Pre­cisamos nesse momento inicial reconstruir a cidade, mas pen­sando no desenvolvimento dela, trazendo empresas e empregos. Transformar escolas em cursos de profissionalização à noite, doar terrenos para empresas se instalarem aqui e atrair mais impostos e empregos. Essa é a linha que vamos focar até pela minha formação de admi­nistrador e Comércio Exterior. Temos que copiar o modelo de São Pedro, Cabo Frio não precisa inventar a roda.

Folha – Ter sido um dos al­vos do velório coletivo feito pe­los servidores o aborreceu?

Aquiles – O servidor tem di­reito de protestar, faz parte da democracia. Mas posso dizer que fui atuante, fiz Comissão da Edu­cação. Tentei fazer o melhor, co­brei o governo a todo momento. Fui à Justiça para cobrar quando não tive resposta aqui. Mas vimos também um movimento político. Havia pessoas que estavam de­fendendo um candidato, não a classe. Não digo que fico chate­ado, temos que olhar para frente. Se errei, peço desculpas, mas te­nho certeza que trabalhei muito para que a cidade não estivesse nesse buraco.