Assine Já
domingo, 20 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
reforma trabalhista

Aprovação de Reforma Trabalhista no Senado repercute na região

Sindicatos falam em ‘retrocesso’, enquanto empresariado aposta em mais empregos

13 julho 2017 - 10h27Por Rodrigo Branco | Agência Brasil
Aprovação de Reforma Trabalhista no Senado repercute na região

A aprovação da Reforma Trabalhista, na noite de anteontem, pelo Senado Federal (50 votos favoráveis, 27 contra, uma abstenção e três faltas) levará a uma profunda mudança nas relações empregatícias entre os trabalhadores e os patrões. Para muitos, a mais profunda desde a criação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em 1943, no primeiro governo de Getúlio Vargas.

Mas se, para alguns, a flexibilização na legislação trabalhista é quase que o equivalente a rasgar a própria CLT, para outros as mudanças podem significar uma melhora no cenário econômico, com a criação de empregos e aumento da renda do trabalhador.

Como esperado, os sindicatos criticaram duramente a decisão no Congresso Nacional. A professora Denise Teixeira, diretora do Sepe, que ajudou a mobilizar Friovários atos contra a reforma, reclamou da passividade da população com o assunto.

– A reforma é um verdadeiro retrocesso que estamos passando nesse país. A propagando do governo sempre coloca a reforma como algo positivo, enquanto o trabalhador só vai ter consciência quando ele começar a ver as perdas. Por isso, a passividade – analisa.

O diretor do Sindicato dos Bancários de Niterói e Região, Marcus Vinícius de Menezes aposta no enfraquecimento do trabalhador nas negociações com o patrão, uma vez que a reforma ‘esvazia’ a representação sindical.

– A corda fica mais fraca. O sindicato tinha um peso, agora o patrão vai trocar o que quiser. Mas o Congresso é feito, na sua maioria, de empresários. Eles tentavam isso há ano. Com o golpe que deu, o governo Temer aprova o que quiser e o que não quiser, mesmo com mobilização contrária – diz Menezes, garantindo que o sindicato devolve o imposto sindical pago pelos trabalhadores.

Por sua vez, o presidente da Associação Comercial de Cabo Frio (Acia), Eduardo Rosa, prefere aguardar os efeitos das alterações, mas acredita que elas podem ‘melhorar o mercado’. De outro lado, ele saúda o fato de que direitos como 13º salário e FGTS não foram mexidos.

– Acho importante a modernização porque o mercado de trabalho está estagnado e, consequentemente, as empresas estão receosas em contratar. O custo trabalhista é altíssimo – pondera.

A advogada trabalhista Jaelma Costa se diz contrária à reforma, mas favorável ao fim do imposto sindical. Ela não acredita em diminuição no número de processos na Justiça do Trabalho.

– Não vejo desse lado. Vão continuar a desrespeitar as regras – crê.