Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
ocupação

Após confusão, ocupação no Renato Azevedo é marcada pela tensão

Alunos ocupantes têm medo de sofrer represálias por movimento

05 maio 2016 - 10h32Por Gabriel Tinoco
Após confusão, ocupação no Renato Azevedo é marcada pela tensão

No cabo de guerra com a pressão do Governo do Estado e os pedidos de pais pela volta das aulas, os ocupantes do Colégio Renato Azevedo vivem dias de tensão. Na noite de anteontem, alunos pró e contra o movimento tiveram uma calorosa discussão na porta da escola a ponto da vizinhança chamar a polícia. Os ânimos se acalmaram e uma reunião acontecerá no sábado, às 15h, para os lados chegarem a um consenso.

A discussão entre os estudantes começou por causa de uma ameaça da Secretaria Estadual de Educação de que os alunos poderiam perder o ano letivo caso a manifestação não acabasse até junho. De acordo com os ocupantes, foram ouvidas batidas fortes no portão da escola para a negociação começar.
Intimidados, eles não abriram a porta porque sentiram medo do diálogo perder o controle dentro da escola. A negociação, portanto, foi mantida na frente do colégio com os dois lados bem exaltados. No fim das contas, a Polícia Militar chegou e restabeleceu a ordem no local.

Os manifestantes argumentaram que, caso o protesto acabe, as atividades continuarão suspensas pela greve dos serviços terceirizados como faxina e merenda. Eles também lembraram de ocupações no Estado de São Paulo que duraram mais de quatro meses e que, ainda assim, os anos letivos não foram perdidos.

(*) Leia a matéria na íntegra na edição desta quinta-feira da Folha dos Lagos.