Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
aldair julio

Após 13 anos, busca por Gabriel chega ao fim

Pouco tempo depois de postagem no site da Folha, jovem é localizado em Cabo Frio

08 julho 2015 - 08h58

FERNANDA CARRIÇO

 

O que começou com cenas de um roteiro dramático se transformou em páginas de uma história com final feliz. Exatamente 60 minutos depois que a matéria “Procura-se Gabriel” foi ao ar no site e no Facebook da Folha dos Lagos, uma colcha de retalhos começou a ser traçada para que nossa equipe de reportagem pudesse chegar às primeiras pistas que levassem ao jovem Gabriel. O adolescente vinha sendo procurado há 13 anos pelo irmão Aldair Júlio de Carvalho, 27 anos, morador de São Gonçalo, e que só viu Gabriel uma vez na vida. Depois de mais de uma década de buscas sem sucesso, na manhã de ontem, Aldair recebeu a notícia que, segundo ele, era a que mais esperava a vida toda.

– Eu não acredito que vocês encontraram meu irmão. Ele tem quantos anos? Ele estuda? Ele mora no mesmo lugar? Ele está bem? Eu preciso ver o meu irmão – desabou Aldair, numa mistura de lágrimas e euforia.

E a emoção de Gabriel Amorim, 15, ao saber que o irmão procurava por ele há tantos anos foi a mesma. Por telefone, contou que também já havia tentado encontrar Aldair.

– Eu lembro dele, eu era muito pequeno quando ele veio, mas lembro sim. Eu até tentei achá -lo, mas não consegui. Que legal que vou conhecer meu irmão – se emocionou Gabriel, que, até então, era tido como filho único.

Esse turbilhão de emoções que cercou os protagonistas da história também tomou conta da redação e em poucas horas conseguimos chegar ao adolescente com a ajuda dos jornalistas Phillipe Bello, assessor de imprensa da Auto Viação Salineira, e Alexandra Oliveira, assessora da Secretaria de Saúde, que auxiliaram na busca. Um quebracabeças foi montado e, depois de alguns telefonemas, o mistério foi resolvido.

– Fico muito feliz por ter ajudado. Estou muito feliz pelo final, emocionante – declarou Phillipe.

A jornalista Alexandra Oliveira também se emocionou com a busca do jovem Gabriel.

– Que história bacana. Que legal que eles vão poder se encontrar – opinou Alexandra.

FINAL FELIZ

No início da tarde os irmãos, enfim, se falaram por telefone pela primeira vez na vida. Emoção, euforia e ansiedade foram a tônica do diálogo que durou alguns minutos. Segundo Aldair, impossível segurar a emoção.

– Eu atendi o telefone e uma voz perguntou se eu era o Julio. Disse que sim e ele falou o que eu esperava ouvir: “oi, irmão”. Fiquei doido, desnorteado. Que emoção em ouvir meu irmão. Vou pedir dispensa no trabalho para tentar ir a Cabo Frio esta semana ainda – concluiu Aldair, com a voz embargada de quem ganha o presente que espera da vida há muitos anos.

Gabriel, um pouco mais comedido na emoção – atitude típica da idade –, contou que eles falaram de tudo um pouco por telefone. Ele, que prefere não ter sua foto divulgada agora, admitiu que estava muito feliz.

– Muito bom conseguir falar com o meu irmão depois de tanto tempo. É uma sensação ótima, mas que não tenho palavras para escrever.

UMA PROCURA QUE DUROU 13 ANOS

Privado da maioria dos laços familiares desde a infância, por anos Aldair Júlio de Carvalho tentou, ao menos, reparar parte da perda. Ele, que é porteiro e morador de Gradim, em São Gonçalo, conheceu brevemente o pai – foram dois encontros até a notícia de que o mecânico Aldair Amorim, 55, havia sido assassinado na saída de um comício na Praça Porto Rocha. Desde então, Aldair Júlio busca encontrar o irmão que só havia visto uma vez na vida.

– Eu preciso encontrar o meu irmão. Não sei se ele tem o sobrenome do nosso pai, Amorim, mas acho que o Gabriel deve ter uns 16 anos. Lembro que ele morava numa rua sem saída no centro. Era a última casa da rua e lembro bem porque o dia que conheci meu irmão foi o melhor da minha vida – declarou Aldair em matéria publicada no site da Folha na manhã de ontem.

A rua a que ele se refere é uma travessa sem saída e sem nome, que fica entre as ruas Miguel Couto e Antônio Feliciano de Almeida, no centro de Cabo Frio. Segundo a memória do Aldair, o pai morava lá com a esposa – a mãe do irmão Gabriel, mas ele não sabe o nome dela.

– Eu tenho poucas informações, só sei que a irmã da viúva do meu pai trabalhava no Charitas, o nome dela era Janete, e era filha de uma senhora chamada Dona Assunção. Eu passei anos sem saber o que fazer para achar meu irmão, agora conto com a Folha para realizar meu sonho.