Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cavalos

Animais soltos causam acidentes na Estrada da Integração

Motoristas precisam desviar de animais na pista em meio à escuridão da estrada

10 setembro 2015 - 13h43

RODRIGO BRANCOS

 

O que já é uma perigosa rotina na Estrada do Guriri está longe de ser um fato isolado em uma cida­de que guarda boa parte de seus limites em áreas rurais. Aliás, a presença de animais de grande porte, como cavalos e bois, em meio a carros e motos por pou­co não causou uma tragédia na noite desta terça-feira (8) na Estrada da Integração, hoje uma via impres­cindível para a ligação entre o Jardim Esperança e Tamoios, no segundo distrito.

Os três ocupantes do Citröen que se chocou com um cavalo não sofreram ferimentos graves. Por pura sorte, segundo testemu­nhas, uma vez que acidentes en­volvendo bichos é algo cada vez mais frequente local, considerado de iluminação precária. Segundo a empresária e administradora Nívia Garcia, que mora nas pro­ximidades da estrada e ajudou na sinalização do acidente, o corpo do cavalo morto ficou estirado na pista por muito tempo sem que qualquer autoridade tomasse pro­vidência para retirá-lo.

– Eu tinha passado no local um pouco antes e consegui desviar, mas o que passou depois, pegou. Por uma sorte ou pelos anjinhos, nada de mais grave aconteceu. Socorremos as pessoas e as leva­mos para o Hospital do Jardim. Quando voltamos, havia vários carros parados e ajudamos a sina­lizar o local, com carros e triân­gulos. Ali é perigoso porque é um dos poucos pontos de reta e os carros aceleram bastante – relata.

De acordo com a empresária, o Corpo de Bombeiros, apesar de acionado, não foi ao local, por dizer que a atribuição seria da Guarda Municipal. O comandan­te do 18º GBM, tenente-coronel Leonardo Couri, contestou em parte a versão, dizendo que a cor­poração atende a todos os chama­dos, mesmo que não envolvam feridos de maior gravidade, para averiguar o risco da situação.

– Pode haver explosão. Além disso, a pessoa pode estar bem externamente, mas precisa ser examinada – disse ele, que afir­mou que só remove animais que ameacem a segurança ou em lo­cais de difícil acesso.

Por sua vez, a Guarda disse que as atribuições de retirada dos animais da pista são da Polícia Rodoviária Estadual, cuja asses­soria não atendeu às chamadas da reportagem. A secretaria estadual de Obras e o Departamento de Estradas e Rodagem (DER-RJ) também não se pronunciaram até o fechamento desta edição.