Assine Já
quarta, 27 de outubro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
andinho

Andinho consegue autorização do TRE para permanecer no cargo

Prefeito e o vice, Reginaldo Mendes, serão mantidos no cargo até o mérito da sentença

10 julho 2014 - 20h43Por Sérgio Meirelles
Andinho consegue autorização do TRE para permanecer no cargo

O prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito (PMDB), o Andinho, conseguiu autorização do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para permanecer no cargo até que seja julgado o mérito da sentença que cassou o seu mandato e o do seu vice Reginaldo Mendes Leite (PT). A decisão foi proferida no mês passado pela juíza Juliana Gonçalves Figueiredo Pontes, da 146ª Zona Eleitoral. Os dois mandatários são acusados de abuso de poder político e compra de votos na campanha de 2012.

Na mesma sentença, a juíza Juliana Gonçalves tornou Andinho e Reginaldo Mendes inelegíveis por oito anos.  Andinho recorreu ontem da decisão da Justiça Eleitoral de Arraial do Cabo. Segundo o advogado Jorge dos Santos Júnior, mais conhecido como Kiko Jorge, a ação cautelar concedida pelo TRE autoriza o prefeito a permanecer na função até que o recurso impetrado pelo chefe do Executivo seja apreciado e julgado pelo tribunal.

A ação cautelar em favor do prefeito e seu vice foi concedida pelo juiz Flavio Willeman. O magistrado acolheu o pedido feito pelo advogado de Andinho e Reginaldo e reconheceu que a saída agora dos mandatários, antes do julgamento do recurso impetrado pelos acusados, gerará insegurança jurídica e política no município. O juiz disse ainda em seu despacho que as sucessivas alternâncias na chefia do Poder Executivo (Prefeitura) geram descontinuidade administrativa e, por esse motivo, devem ser evitadas.

Entenda o caso - A Ação de Investigação Judicial Eleitoral 44259 foi movida em 2012 pela Coligação do PDT e PP. Andinho e Reginaldo são acusados de cometer crime eleitoral ao distribuir ás vésperas das eleições municipais títulos de propriedade de terra e carnês de IPTU aos invasores de uma área de preservação ambiental. Ainda de acordo com a denúncia, o prefeito e o vice teriam feito mais de 3 mil lançamentos no cadastro de imóveis da Prefeitura.