Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Aluguel de escolas em Cabo Frio para turistas é reprovado

Aluguel de escolas em Cabo Frio para turistas é reprovado

Entrevistados pela Folha nas ruas de Cabo Frio condenam a atividade

17 fevereiro 2016 - 11h46
Aluguel de escolas em Cabo Frio para turistas é reprovado

Duas escolas, uma na Teixeira e Souza e outra no Peró, foram alugadas para turistas durante o Carnaval

 

O aluguel de escolas públicas durante o Carnaval, noticiado com exclusividade pela Folha, não repercutiu bem entre a população. Os moradores reprovaram a ação das diretorias e questionaram para onde iria a arrecadação da Iara Coutinho Gomes, na Avenida Teixeira e Souza, e da Etelvina Santana Fonseca, no Peró. Na matéria, as diretoras alegaram que o dinheiro seria utilizado para manutenção das escolas. A Secretaria de Educação pedirá esclarecimentos para tomar as providências necessárias.
O encarregado geral Izaquiel Souza, 36, pediu mais zelo pelo patrimônio público.

– Se é público, tem que ter zelo, não fazer nenhum aluguel. A escola está paga. Não há porque lucrar em cima – afirma.
Já o cuidador de idosos Thaylla Prices, 19, que não sabia da notícia, ficou espantado primeiramente.

– Que coisa horrível. Escola é escola. Hotel é hotel. Não é justo lucrarem em cima de uma instituição que mal funciona por aqui. Cabo Frio é uma cidade turística, mas não precisamos alugar escolas – comentou.
O funcionário público Paulo César Andrade, 56, estava curioso para saber onde o dinheiro foi investido.

– Para onde vai o lucro? Temos que nos perguntar isso. Afinal de contas, é um bem público. Pode ser que as diretorias tenham algum argumento para utilizar, mas, mesmo assim, o aluguel não deveria ser permitido.
Uma das mais revoltadas era a caixa Pâmela Keyka, 23.

– É absurdo. Muito ruim ver alguém se beneficiando do ambiente público. Ao menos poderiam usar o dinheiro para pagar os servidores que estão sem receber – sugeriu, irônica.
Mas nem todo mundo criticou as diretorias. O zelador Marcelo Santos, 45, por exemplo, não vê problemas se não houver depredação.

– Quem tem que administrar a escola e saber o que é certo ou errado é o governo. Se ninguém está quebrando nada, sinceramente, não vejo problema algum