Assine Já
domingo, 28 de novembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53491 Óbitos: 2186
Confirmados Óbitos
Araruama 12497 447
Armação dos Búzios 6580 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15408 901
Iguaba Grande 5564 147
São Pedro da Aldeia 7047 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
OLHO NAS COMPRAS, OUTRO NO BOLSO

Alta dos preços no mercado desafia cabo-friense a manter saúde das finanças

Consumidor relata as estratégias para não estourar orçamento doméstico

24 outubro 2021 - 14h10Por Rodrigo Branco

Não tem jeito. Em tempos de crise econômica, com inflação acumulada de mais de 10% nos últimos 12 meses, a saída é fazer contas para que o consumo de itens essenciais, como os alimentos, caiba no orçamento doméstico. Nas gôndolas e caixas registradoras dos mercados cabo-frienses, como em todo o Brasil, o desafio é fazer esticar o dinheiro e levar o maior número de produtos possível.

Vale tudo na guerra contra o ‘dragão’ da alta de preços, de fazer substituições de itens por outros similares ou até mesmo tirar os produtos considerados supérfluos do carrinho. De calculadora na mão, o consumidor para, pesquisa e compara e, ainda assim, percebe que tem levado cada vez menos bolsas para casa.

É o caso do funcionário da Prefeitura de Arraial do Cabo, Nathan Souza. Casado e pai de uma filha, o servidor público relata que houve um aumento de 50% no valor das compras que faz abastecer a despensa. Isso sem acrescentar sequer um item na lista.

– Acho que aumentou muito o preço no mercado, principalmente o do café. Foi o que mais aumentou de uns meses para cá. Estava R$ 9 e agora está R$ 18 e pouco. É complicado. Há dois, três meses atrás, gastávamos uma média de R$ 400 por mês, agora é R$ 600. Isso só o grosso, não estou nem botando a carne – relata.

Falando no produto de origem bovina, ele é considerado um dos vilões do momento, comprometendo até o sagrado ritual do churrasquinho de fim de semana. A solução é fazer substituições dentro do prato, sem sacrificar a dieta familiar, ainda que o preço do frango também esteja nas alturas.

– Os preços estão bem altos. Muito altos, na verdade. A estratégia é comprar as coisas de forma semanal, por causa do preço mesmo. Ele sobe e desce, mas no momento só sobe. Estamos optando bastante pelo ovo porque o valor da carne está demais – desabafa a consumidora Lorena Alcântara.

Com duas pré-adolescentes em casa, a vendedora de planos de saúde Adriana Gonçalves faz planejamento semelhante para fazer o dinheiro render até o fim do mês. Ela explicou para a reportagem da Folha que elabora uma lista inicial de compras que é reduzida aos poucos para que as contas não fujam de controle.

– Está muito difícil porque subiu tudo, mas o salário continua o mesmo. A gente faz. uma lista de prioridades e dentro dela vê o que é mais necessário. Hoje a gente troca a carne pelo frango, salsicha, ovos e vamos fazendo as substituições diariamente. Vejo o que a gente pode deixar por hoje para, de repente, comer no fim de semana. Imagina agora, você ter uma adolescente querendo comer alguma bobagem no fim de tarde, mas a gente vai cortando – relata.

De calculadora e encartes promocionais, o consumidor cabo-friense também não se faz de rogado e bate perna para achar as melhores ofertas e preços promocionais.

– As coisas estão muito caras. A nossa principal arma ainda é a pesquisa. Aqui nesse mercado, o preço ainda está melhor. A gente vai se adaptando – ensina a consumidora Dalva Lima.

Consumo cai O consumo nos lares brasileiros caiu 2,33% entre julho e agosto deste ano. Conforme levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), na comparação com agosto do ano passado, o consumo caiu 1,78%, mas, no acumulado do ano, houve alta de 3,15%.

Segundo a Abras, os percentuais são reflexo de fatores externos e internos, como a alta da inflação e o desemprego. "Câmbio, geadas e a população, com bolso mais restrito, tiveram influência no resultado de agosto", afirmou o vice-presidente da Abras, Marcio Milan.

De acordo com entidade, as datas nas quais o consumo tende a aumentar de consumo representam um momento de otimismo para o setor. “Apesar dessa desaceleração, estamos confiantes e manteremos nossa projeção inicial de crescimento de 4,5% para 2021”, reforçou Milan.

A cesta de 35 produtos de largo consumo nos supermercados fechou o mês custando R$ 675,73, com aumento de 1,07% em relação a julho de 2021. No comparativo com o mesmo mês do ano passado, o crescimento foi de 22,23%.

Os produtos que tiveram as maiores altas foram a batata (20,9%), o café torrado e moído (10,7%) e o frango congelado (7,1%). Também aparecem na dos itens cujo preço subiu o sabonete (4,3%) e o ovo (3,7%). As maiores quedas são da cebola (-4,9%), refrigerante pet (-2,8%), tomate (-2,3%), farinha de mandioca (-1,7%) e feijão (-1,5%).

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.