Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Lagoa

Algas voltam a proliferar na lagoa

‘Tapede verde’ cobre espelho d’água do manancial e mau cheiro impera

06 agosto 2015 - 09h39
Algas voltam a proliferar na lagoa

Nicia Carvalho

Mais uma vez um ‘conheci­do estranho no ninho’ retorna à Lagoa de Araruama, na altura das Palmeiras, em Cabo Frio. O ‘tapete verde’ no espelho d’água formado pela proliferação das algas tomou conta do manancial, na manhã de ontem, por cerca de 100 metros de extensão e provo­cou um forte mau cheiro. É a segunda vez em quase um ano que o aumento destes organis­mos acontece, já que em agosto do ano passado o local também ficou tomado por algas. O mo­tivo é o excesso de nutrientes na água causados pelo despejo de esgoto in natura na lagoa. O Canal do Itajuru também ficou tomado por algas.

– Mais uma vez as praias das Palmeiras e do Siqueira se encontram com um extenso ta­pete verde sobre suas águas. O tapete é provenientes de algas que proliferam em alta escala devido ao excesso de nutrientes que vêm do despejo de esgoto. É lamentável por ser uma cena que se repete e isso prova que as ações paliativas não funcionam – disparou Daniel Ribeiro, am­bientalista e líder do Movimento Lagoa Limpa.

Segundo ele, é necessário mudar o sistema de tratamento de esgoto na região – que atual­mente é realizado a tempo seco, ou seja, interceptação do esgo­to presente nas galerias da rede pluvial (que recebe as águas da chuva), evitando que ele seja lançado ‘in natura’ no manan­cial – para que os despejos não tenham como destino a lagoa.

– Precisamos de um trabalho sério para por fim ao despejo de esgoto no maior patrimônio da Região dos Lagos. Perdemos muito com diversos pontos de grande beleza que poderiam ser utilizados para alavancar o turis­mo e que estão poluídos e com suas águas impróprias – senten­ciou o especialista.

De acordo com ambientalis­tas, para combater o despejo a tempo seco a saída é a mudança do sistema de tratamento para a rede separativa, que como o nome diz, separa a rede de es­goto da água da chuva. Segundo Jaílton Nogueira, secretário de Meio Ambiente de Cabo Frio foram coletadas duas amostras de algas, tanto na Praia das Pal­meiras quanto no Canal do Itaju­ru, e encaminhadas ao Instituto de Pesquisa da Marinha, em Ar­raial do Cabo, para identificação do tipo de organismos. Segundo ele, o resultado deve ficar pronto em cerca de uma semana.

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (6)