Assine Já
sábado, 16 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
alexandre

Alexandre Martins: "Conheço a máquina pública e a necessidade do povo"

Secretário do governo Mirinho garante que transparência será uma das metas da gestão

29 setembro 2016 - 09h54
Alexandre Martins: "Conheço a máquina pública e a necessidade do povo"

Outrora vice e secretário do governo Mirinho Braga (PDT), Alexandre Martins afirma que seu governo não terá vínculo com o atual adversário e assegura que a transparência será uma meta central.

Folha dos Lagos – Por que o senhor quer ser prefeito da cidade?

Alexandre Martins – Bem, tenho a experiência e o povo pede renovação. Fui vereador, vice-prefeito, e secretário de Saúde e Administração. Tenho grande conhecimento da coisa pública. Entrei e sai limpo. Fui o candidato mais votado nas eleições de 2014 quando pleiteei a vaga de deputado estadual. Já naquela época, o povo apontava para mim a direção do Executivo. Amo nossa cidade e sei que como prefeito com uma administração transparente e corrupção zero podemos colocar Búzios como os moradores merecem.

Folha – Boa parte da experiência pública do senhor está ligada aos governos de Mirinho Braga, como vereador e secretário. Como pretende desvincular essa imagem e dar ao governo a sua cara, caso seja eleito?

Alexandre – Veja bem. Quando fui vice e secretário no governo Mirinho Braga, eu não tinha a caneta, quem tinha era ele. Não tenho vínculo algum com ele desde que encerramos o governo em 2012. A resposta está nas candidaturas, estamos concorrendo ao mesmo cargo na mesma disputa. Quer desvinculação mais explícita?

Folha – O que torna o senhor diferente dos demais candidatos, inclusive do ex-prefeito do qual já fez parte do grupo político?

Alexandre – Vamos, no máximo, em um ano promover licitações em praça pública. A transparência é uma meta. Temos propostas que a experiência de um passado sem nenhum processo judicial no meu currículo me permite. Conheço a máquina pública e a necessidade do nosso povo que inicia na Saúde, Educação, Segurança e Saneamento Básico, com um viés em todas as pastas. Propostas essas feitas com a população e técnicos de cada área. O nosso governo é participativo, pois todo poder emana do povo e para ele deve retornar com ações públicas para atender esse mesmo povo que nos deu o poder. Com transparência e sem corrupção, pensando no melhor para a cidade e seus moradores. Nosso programa é de metas atingíveis, nada que não possa sair do papel.

Folha – Quais os seus planos para a área de Educação?

Alexandre – Capacitar o profissional da Educação, igualar o salário entre os profissionais, dispor de materiais didáticos de acordo com a necessidade para o melhor no sentido pedagógico acontecer, para que todos possam ter vontade e prazer em educar. Pretendo criar o ensino integral, ocupar nossas crianças nos momentos que terminam o seu turno de aula, oferecendo cursos, enfim, criando instrumentos pedagógicos para a boa formação do ser humano, com atenção voltada para o social em que vivem, dentre outras ações práticas mas de alcance educacional pensado por técnicos da área dentro do Plano Nacional da Educação.

Folha – O que o senhor pretende fazer na Saúde?

Alexandre – A Saúde é onde o povo esperava a ‘receita’ do atual governo e ela não veio. Vamos agir rapidamente visando sanar a ‘dor’ que a população sofre. Vamos construir um Polo de Saúde próximo ao Hospital. Criar Policlínica de com especialidades e Clínica Geral, com atendimento à criança e à mulher. Vou criar o Centro de Diagnóstico de Imagem, que não temos em Búzios. Vamos construir uma Maternidade, construir um novo polo de urgência na Rasa e  retornar o Programa de Saúde de Família. Essas são algumas das ações que pretendemos dentre outras para a Saúde que atenda verdadeiramente nosso povo.

Folha – Qual a sua estratégia para aquecer a Economia e gerar empregos?

Alexandre – Primeiro temos que verificar o que tem de impostos ‘perdidos’ na rua por valores astronômicos cobrados pela Prefeitura, que o povo não tem condições de pagar, mesmo querendo cumprir com esses pagamentos. Temos que criar mecanismos de arrecadação dando condições e incentivando o empreendedor a fomentar a economia da cidade. Trazer empresas com critérios de ‘poluição zero’ que queiram vir para Búzios, dando emprego para o morador daqui. Capacitar nosso trabalhador para que ele possa ingressar no mercado criando um banco de emprego, pois se o povo daqui tem trabalho, ele próprio ajuda a fomentar a economia local.

Folha – Como pretende incrementar o Turismo?

Alexandre – Aí está uma engrenagem que aquece a economia, desde que o morador de Búzios seja atendido primeiramente pelos serviços públicos. A cidade de Búzios precisa ser vista e hoje o município não é visto em feiras nacionais nem internacionais. Temos que atrair o turista preparando a cidade e mostrando ela para o mundo e tirando-a de colocações finais no ranking de locais visitados atualmente. Atualmente, temos oito praias impróprias para banho por falta de fiscalização na Prolagos. Isso é inadmissível. Temos que preparar nossa Búzios para os moradores, na sequência o turista virá, é um efeito dominó.