Assine Já
terça, 15 de junho de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 42644 Óbitos: 1636
Confirmados Óbitos
Araruama 10478 329
Armação dos Búzios 5160 57
Arraial do Cabo 1486 81
Cabo Frio 11383 605
Iguaba Grande 4350 105
São Pedro da Aldeia 5841 254
Saquarema 3946 205
Últimas notícias sobre a COVID-19
upa

Alerta vermelho: a falência múltipla do Estado

Arrecadação despenca e Rio enfrenta desafios na Saúde e na Educação

30 abril 2016 - 10h28
Alerta vermelho: a falência múltipla do Estado

FILIPE RANGEL

 

Quando o extrato bancário mensal do Estado do Rio de Janeiro apontou, em março de 2014, depósito de R$ 278,8 milhões, parecia não haver limites para o crescimento da arrecadação com royalties do petróleo, que havia saltado 46% em relação ao mesmo período de 2011 (R$ 190,9 milhões). Mas aquele era, na verdade, o topo da montanha-russa que é construída até os dias de hoje. De lá para cá, a trilha foi ladeira abaixo. O último repasse, feito em março deste ano, é de R$ 124 milhões, o que representa redução de 65% quando comparado ao período dourado de dois anos atrás e um retrocesso até em relação a 2011. O impacto dos números é traduzido para o dia a dia na deficiência dos serviços públicos: UPAs inoperantes, escolas ocupadas e tantos outros órgãos, como o Judiciário, em estado de greve.

– São horas esperando para ser atendido, porque o hospital está simplesmente lotado. Prati- camente só esse está funcionan- do direito na cidade – reclamou a aposentada Leila Barros, 68, que acompanhava o atendimento do neto no Hospital Santa Izabel. Leila e seus familiares precisaram recorrer à rede privada de Saúde pois, segundo ela, “a rede púbica está abandonada”. 

Por rede pública entende-se, em Cabo Frio, o Hospital Central de Emergências (HCE), em São Cristóvão, o Otime Cardoso, no Jardim Esperança – ambos de administração municipal –, e as UPAs dos dois distritos, construídas pelo Estado e geridas pelo município. Enquanto as unidades estão praticamente fechadas, os outros dois hospitais andam mal das pernas, com funcionamento prejudicado – faltam médicos, especialistas, insumos e equipamentos, segundo médicos, enfermeiros e pacientes. As contas que eram pagas no passado, hoje estão pendentes. Por conta de uma dívida, a terceirizada que geria a UPA de São Pedro devolverá a administração ao município, que, por sua vez, não sabe o que fazer. Os números voltam a explicar a deficiência do Estado em cumprir os repasses e pagamentos às cidades.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa da Folha deste fim de semana.