Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Alerj

Alerj vota extensão do estado de calamidade financeira nesta terça (23)

Aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14% também volta à pauta esta semana

23 maio 2017 - 07h36Por Rodrigo Branco | Foto: Divulgação
Alerj vota extensão do estado de calamidade financeira nesta terça (23)

A semana na Assembleia Le­gislativa do Rio de Janeiro pro­mete. A começar por hoje, quan­do será votada a mensagem do Poder Executivo que prorroga a calamidade financeira no Esta­do até o fim de 2018. O decreto do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), publicado em novembro, previa inicialmente que a medida tivesse efeito so­mente até o fim deste ano. Com isso, o governo estadual aumen­ta o período para a flexibiliza­ção do cumprimento de prazos previstos na Lei de Responsabi­lidade Fiscal.

A mensagem de Pezão seria votada na semana passada, mas houve adiamento para a apre­sentação de emendas. Todavia, a expectativa é que, mesmo en­fraquecido politicamente, o go­verno consiga aprovar a maté­ria. De acordo com o deputado Janio Mendes (PDT), a medida é necessária para o Estado recu­perar o equilíbrio fiscal e evitar a demissão de funcionários.

– A necessidade se justifi­ca porque, de fato, a crise não será vencida em 2017. Já passou muito tempo e medidas deve­riam ter sido tomadas há muito tempo. O primeiro semestre está perdido. A economia deu sinais de recuperação, mas não o sufi­ciente para acertar o desequilí­brio fiscal do Estado – argumen­ta o pedetista.

De outro lado, a questão ain­da não está fechada no PSDB, do deputado Silas Bento. Ele não quis manifestar o voto e disse que prefere aguardar a de­finição da bancada, que conta ainda com Luiz Paulo, Lucinha e Carlos Osório.

– Tenho que ver o que o parti­do vai decidir, a não ser que seja uma posição muito grotesca, que divirja da minha consciên­cia – afirma Silas.

Ponto que causou grande polêmica no fim do ano passa­do, o aumento da contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14% deve passar pelo plenário amanhã. O gover­no estadual pretende colocar a medida como contrapartida de ajuste fiscal à União pelo Pla­no de Recuperação dos Estados sancionado pelo presidente Mi­chel Temer na última sexta-fei­ra, mesmo após a Câmara dos Deputados ter derrubado essa imposição. Pelo plano, as dívi­das com a União podem deixar de ser pagas por três anos, pror­rogáveis pelo mesmo período, sob algumas condições de Esta­do tomem medidas de austeri­dade financeira.

Para Janio, que reafirmou a posição contrária da bancada pedetista com relação ao au­mento da alíquota, a votação desse projeto será uma prova política para Pezão que, no en­tanto, conseguiu há alguns me­ses o aval para vender a Cedae, como garantia de empréstimo de até R$ 3,5 bilhões.

– O governo é fraco politi­camente, mas a necessidade do Estado requer visão supraparti­dária para botar os salários em dia – afirma.

Assim como Janio, Silas en­fatizou que votará contra o au­mento da contribuição previ­denciária.

– Não vou onerar em hipó­tese nenhuma o trabalhador, que além de estar com salá­rios atrasados, não tem corre­ção das perdas desde 2013. É um compromisso que eu tenho antes mesmo de tomar posse – promete.