Assine Já
quinta, 16 de setembro de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50529 Óbitos: 2055
Confirmados Óbitos
Araruama 12146 429
Armação dos Búzios 6138 64
Arraial do Cabo 1679 90
Cabo Frio 13948 821
Iguaba Grande 5338 134
São Pedro da Aldeia 6812 284
Saquarema 4468 233
Últimas notícias sobre a COVID-19
Monte Alto

Alerj vai votar retirada de Monte Alto do Parque Costa do Sol

Projeto do deputado Janio Mendes será votado em primeira discussão nesta quinta (10)

08 novembro 2016 - 09h48Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
Alerj vai votar retirada de Monte Alto do Parque Costa do Sol

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro votará em primeira discussão nesta quinta-feira o projeto de lei nº 1.546/2016, de autoria do deputado Janio Mendes (PDT), que retira a área do distrito de Monte Alto, em Arraial do Cabo, dos limites do Parque Estadual da Costa do Sol.

A localidade, que fica a cerca de 10 Km do centro de Arraial, é alvo de frequentes ações de fiscalização da Prefeitura e do Instituto Estadual do Ambiente por causa das invasões à unidade de conservação ambiental.

Apesar do esforço das autoridades, o avanço das construções sobre a área de preservação ambiental é crescente, o que aliado à ausência dos serviços públicos básicos como água e saneamento tem contribuído para degradar o ecossistema. Situação que o parlamentar pretende futuramente acabar.

– O parque foi desenhado em 2004 e implantado em 2011. Mas antes disso, as pessoas já residiam ali e passaram a conviver com ameaça de despejo. Quando falo de retirada de uma área que já estava impactada do parque, falo da garantia de que não haverá mais ameaça de despejo e de que os serviços públicos poderão chegar para que os moradores tenham dignidade – afirma o deputado, que acredita que beneficiará cerca de 500 famílias.

O diretor do PECS, André Cavalcanti, afirmou que o Inea só tomará uma posição oficial sobre o assunto após a conclusão do Plano Estadual de Manejo, que está revendo todos os limites do parque. Entretanto, ele admite que a proposta é válida.

– Existe também um apelo social. Independente de quem errou, de terem permitido construir, eles estão ali. A questão da preservação ambiental tem que andar sempre junto com a questão social – salienta Cavalcanti.

Para o presidente da Associação de Guarda-Parques e coordenador de Fiscalização do Parque, Leonardo Sandre, a iniciativa veio em boa hora, mas ele alerta para o fato de que o limite físico contemplado pelo projeto não é a estrada e sim uma área de mata nativa, ao lado da lagoa de Araruama.

– Senão daqui a cinco anos também vamos ter que tirar aquela área dos limites do parque – alega.

Janio, por sua vez, não vê problema.

– Debatemos exaustivamente o assunto, fizemos audiência pública, mas qualquer alteração estamos abertos a fazê-lo – garante.