Assine Já
sábado, 05 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 13221 Óbitos: 567
Confirmados Óbitos
Araruama 2625 126
Armação dos Búzios 1500 22
Arraial do Cabo 427 21
Cabo Frio 3925 183
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 2010 79
Saquarema 1537 95
Últimas notícias sobre a COVID-19
Comissão

Alair vai à reunião da Comissão de Educação da Câmara

Apesar do diálogo, único avanço foi promessa do governo de apresentar folha de pagamento e Fundeb

24 fevereiro 2016 - 13h50
Alair vai à reunião da Comissão de Educação da Câmara

O prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa (PP), participou na manhã desta quarta-feira (24) da reunião da Comissão Especial de Educação da Câmara Municipal. Inicialmente estava prevista apenas a participação da secretária de Educação Juciara Noronha Dimas, que também esteve presente ao encontro.

A reunião aconteceu menos de 24 horas depois da audiência de conciliação promovida pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, durante qual ficou decidido que o governo municipal teria 72 horas para apresentar nova proposta com relação ao 13° salário, parcelado em cinco vezes, e o calendário de pagamento dos servidores da área, há quase três meses em greve.  No entanto, apesar da disposição do governo de, enfim, negociar, a oferta feita por Alair é a mesma que foi rejeitada na audiência desta terça-feira (23): pagamento do 13° em quatro parcelas e estabelecimento do dia 23 de cada mês como data fixa de pagamento para todo o funcionalismo.

Questionado sobre o uso de recursos do Fundo de Desenvolvimento e Manutenção da Educação Básica (Fundeb) para o pagamento dos servidores, o prefeito negou que o dinheiro esteja sendo aplicado em outras áreas. Nesse sentido, aliás, que houve o único avanço concreto da reunião que foi a promessa de entregar toda a documentação referente aos depósitos do Fundeb e à folha de pagamento do funcionalismo municipal. Alair disse ainda que a prefeitura está atrás de empréstimo bancário para regularizar a situação.

– Conseguimos pagar em dia até setembro, mas para isso não pagamos coleta de lixo e a varrição. Mas quando completamos oito meses sem pagar as empresas,  parece que numa combinação, ameaçaram parar o serviço e a cidade ficaria um lixo só. Fui obrigado a dar algum dinheiro a essas empresas e foi aí que a coisa complicou. Mas com R$ 30 milhões consigo colocar a folha em dia – acredita o prefeito.

Durante a reunião, foi levantada a hipótese de a Câmara pedir empréstimo bancário para o pagamento dos servidores da Educação, uma vez que a prefeituraestá em dificuldades para consegui-lo, por não ter as certidões negativas de débito. Apesar de não ter novidades, a proposta do governo será levada à assembléia da categoria, que será realizada no início da noite desta quarta, em frente à escola municipal São Cristóvão.

Leia a cobertura completa na edição desta quinta-feira da Folha dos Lagos.