Assine Já
sábado, 04 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 250 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 943 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 455 16
Saquarema 17 484 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
Comissão

Alair vai à reunião da Comissão de Educação da Câmara

Apesar do diálogo, único avanço foi promessa do governo de apresentar folha de pagamento e Fundeb

24 fevereiro 2016 - 13h50
Alair vai à reunião da Comissão de Educação da Câmara

O prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa (PP), participou na manhã desta quarta-feira (24) da reunião da Comissão Especial de Educação da Câmara Municipal. Inicialmente estava prevista apenas a participação da secretária de Educação Juciara Noronha Dimas, que também esteve presente ao encontro.

A reunião aconteceu menos de 24 horas depois da audiência de conciliação promovida pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, durante qual ficou decidido que o governo municipal teria 72 horas para apresentar nova proposta com relação ao 13° salário, parcelado em cinco vezes, e o calendário de pagamento dos servidores da área, há quase três meses em greve.  No entanto, apesar da disposição do governo de, enfim, negociar, a oferta feita por Alair é a mesma que foi rejeitada na audiência desta terça-feira (23): pagamento do 13° em quatro parcelas e estabelecimento do dia 23 de cada mês como data fixa de pagamento para todo o funcionalismo.

Questionado sobre o uso de recursos do Fundo de Desenvolvimento e Manutenção da Educação Básica (Fundeb) para o pagamento dos servidores, o prefeito negou que o dinheiro esteja sendo aplicado em outras áreas. Nesse sentido, aliás, que houve o único avanço concreto da reunião que foi a promessa de entregar toda a documentação referente aos depósitos do Fundeb e à folha de pagamento do funcionalismo municipal. Alair disse ainda que a prefeitura está atrás de empréstimo bancário para regularizar a situação.

– Conseguimos pagar em dia até setembro, mas para isso não pagamos coleta de lixo e a varrição. Mas quando completamos oito meses sem pagar as empresas,  parece que numa combinação, ameaçaram parar o serviço e a cidade ficaria um lixo só. Fui obrigado a dar algum dinheiro a essas empresas e foi aí que a coisa complicou. Mas com R$ 30 milhões consigo colocar a folha em dia – acredita o prefeito.

Durante a reunião, foi levantada a hipótese de a Câmara pedir empréstimo bancário para o pagamento dos servidores da Educação, uma vez que a prefeituraestá em dificuldades para consegui-lo, por não ter as certidões negativas de débito. Apesar de não ter novidades, a proposta do governo será levada à assembléia da categoria, que será realizada no início da noite desta quarta, em frente à escola municipal São Cristóvão.

Leia a cobertura completa na edição desta quinta-feira da Folha dos Lagos.