Assine Já
domingo, 26 de setembro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Educação

Alair afirma que grevistas da Educação serão pagos por último

No seu blog, prefeito diz que prioridade é para quem não aderiu ao movimento; Sepe fala em "aberração"

13 junho 2016 - 23h03Por Rodrigo Branco
Alair afirma que grevistas da Educação serão pagos por último

Em nova postagem nas redes sociais e no seu blog pessoal, o prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa, anunciou que vai priorizar o pagamento de funcionários da Educação que não aderiram à greve na rede municipal iniciada ontem. Ele novamente atribuiu a dificuldade de manter os salários em dia à aprovação do Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações (PCCR), em 2013.

– Comunicamos aos funcionários que permaneceram no trabalho que começaremos o pagamento por vocês. Em tempo: ressaltamos que não pagamos os salários em dia, porque nossa arrecadação não permite que o façamos. Nossa folha de servidores é de R$ 37 milhões e a arrecadação mensal é de R$ 34 milhões. Antes do PCCR a folha de pagamento dos servidores era de R$ 25 milhões e a arrecadação de R$ 55 milhões. Tínhamos R$ 30 milhões além das despesas com funcionários. Hoje, para pagarmos os servidores, temos R$ 3 milhões a menos – postou.

Assim como já tinha feito, o prefeito disse ainda que “os professores sabem” que o maior volume de recursos do Fundeb chega aos cofres na terceira semana de cada mês. Ele criticou ainda a greve, chamando-a de “política”, e a pressão para barrar o empréstimo na Câmara.

– Se não fosse assim, não ficariam pernoitando na porta da Câmara para a cidade não ter o empréstimo que tem direito por lei. Sabem que com dinheiro eu pago aos funcionários todos os seus direitos e a Greve acaba, isso é o que menos eles querem – escreveu.

A diretora de imprensa do Sepe, Denise Teixeira, refutou as críticas de Alair e reafirmou que a data de quinto dia útil para pagamento foi decidida na Justiça.

– É uma aberração quando ele diz que vai pagar primeiro quem não está greve, mesmo porque isso caracteriza perseguição por greve e perseguição política. É crime, assédio e vai ser tratado como tal – respondeu, afirmando ter levado o caso ao corpo jurídico do sindicato.