Assine Já
sexta, 03 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 317 Confirmados: 2983 Óbitos: 179
Suspeitos: 317 Confirmados: 2983 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 250 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 943 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 455 16
Saquarema 9 471 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
estiagem

Águas de março podem ficar pelo caminho
 

Com muita sorte, institutos estimam que volume de chuvas seja normal
 

25 fevereiro 2015 - 10h33

Mesmo com volume de chuvas em fevereiro acima da média desde 2006, a estimativa dos institutos de climatologia não é das melhores para o mês que se aproxima. A tendência pontada nos mapas e gráficos é de que, com sorte, março fique dentro da normalidade de chuvas ou até abaixo da média. Com a estiagem dos últimos tempos, além da baixa nos reservatórios de água em todo país, os produtos agrícolas caem na qualidade e sobem no preço.

– Em fevereiro tivemos oscilações climáticas que favoreceram as chuvas, mas estamos passando por período de seca, que infelizmente é longo. Antes do dia 10 começa um ciclo desfavorável no sudeste. Não vai secar, mas será muito fraco. Na melhor das hipóteses fica normal à abaixo da média, o que é mais provável –avaliouAlexandre Nascimento, meteorologista do Instituto Climatempo.

Segundo ele, o desempenho mais razoável de fevereiro não deve se repetir em março, além de não ter sido suficiente para amainar a pior falta de chuva em janeiro dos últimos quatro anos.  Nascimento explicou ainda que os modelos meteorológicos apontam período ruim para chuvas, um ciclo que dura cerca de 30 dias.

– Pontualmente as chuvas de fevereiro surpreenderam, tivemos sorte com o sistema Cantareira, mas na maior parte das regiões paulistas o nível de chuva foi abaixo do esperado assim como na Região Sudeste – explicou.

De acordo com Nascimento, as oscilações climáticas que favoreceram as chuvas em fevereirosurgiram por fatores variáveis que, em princípio, não são indicados nos mapas meteorológicos a partir de março.

Leia a matéria completa na edição desta quarta-feira, 25.