Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8382 Óbitos: 435
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
cabo frio

Agora o bicho vai pegar: PMs de Cabo Frio se especializam no Bope

Sete policiais do GAT Ala Alfa fazem curso na 'Tropa de Elite'

23 julho 2014 - 16h17Por Nicia Carvalho
Agora o bicho vai pegar: PMs de Cabo Frio se especializam no Bope

Para enfrentar com vantagem a crescente onda de violência que vem acontecendo na cidade, a Polícia Militar de Cabo Frio está aprimorando o planejamento das operações. Para isso, sete policiais do Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 25º Batalhão da Polícia Militar (BPM), sediado em Cabo Frio, participam de treinamento com o Bope, no Rio de Janeiro.

O curso, que termina na próxima sexta-feirta, será finalizado com uma operação real de incursão em uma comunidade da capital, que ainda será definida. A informação é do terceiro sargento Luiz Américo, 38, que há um mês assumiu o comando do GAT Ala Alfa na cidade, na 1ª Cia do batalhão.

– Acho esse estágio primordial para qualquer equipe tática. Esse treinamento pega os fundamentos dos principais  cursos do Bope, o Curso de Ações Táticas (CAT) e o Curso de Operações Especiais (Coesp), e serve como referencial e aprimoramento técnico do policial – explicou ele, que está há 13 anos na polícia.

Segundo ele, o curso melhora a atuação dos policiais nas ruas e nas incursões a áreas de risco, como as dominadas pelo tráfico de drogas. Américo afirma que, para os policiais, a “evolução é natural, e o aprimoramento técnico nunca é demais”.

– Com treinamento, a postura e a confiança da equipe, o aprimoramento técnico, tudo melhora. Esse é um treinamento específico e especializado para a função de ações táticas e é muito proveitoso para nós – contou o policial, que trabalhou por seis anos fazendo patrulhamento na área de abrangência do 25º BPM.

Para ele, toda operação de rua da polícia precisa de preparo e elaboração para minimizar os prejuízos, tanto para a equipe quanto para os moradores.

– Cada operação tem sua peculiaridade própria. Mas sempre entro com minha equipe priorizando a segurança e tentando ao máximo minimizar os riscos, fazendo um planejamento prévio de cada missão. Além de cumprir a ação, quero que a segurança e integridade de minha equipe estejam sempre em primeiro lugar – afirma ele.

A maior dificuldade, no entanto, acontece quando uma operação envolve reféns.

– Sempre busquei treinamento e conhecimento para estar um passo a frente e nunca me sentir despreparado para qualquer missão. E isso, até o momento, tem surtido efeito em todas as missões que fui empregado com minha equipe – destacou o terceiro sargento da Polícia Militar.

Além do terceiro sargento, participam do treinamento os soldados Spnola, Leonardo, Perrin, Jaime e Street, e o cabo Magalhães. No curso, os policiais tiveram treinamento para uso progressivo da força, instrução tática individual, abordagem a pessoas, edificações e veículos. A lista conta ainda com apresentação de armas, teoria e prática de armamentos, tiro básico de fuzil e pistola, técnicas especiais de patrulha, operações.