Assine Já
domingo, 26 de setembro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Afinal, quem vai pagar a conta do Ano Novo em Cabo Frio?

Prefeitura afirma que fechou parceria com rede Assaí, mas grupo atacadista nega patrocínio

29 dezembro 2015 - 09h01Por Rodrigo Branco

Depois de muita polêmica, a Prefeitura de Cabo Frio confir­mou ontem à Folha que, enfim, firmou acordo de R$ 1 milhão com um parceiro para a festa de Réveillon na cidade: a rede ata­cadista Assaí, ligada ao grupo paulista GPA, do qual também fazem parte os supermercados Pão de Açúcar e Extra, as Casas Bahia e o Ponto Frio.

O problema é que faltou com­binar com a empresa, que afir­mou desconhecer a negociação, após consultas por e-mail feitas pela reportagem. Segundo a as­sessoria do grupo GPA, de fato, os custos da festa serão banca­dos pela iniciativa privada, mas pela Sendas Distribuidora S.A., cujo terreno na Avenida Améri­ca Central será ocupado por uma filial do Assaí. No entanto, até o

 Depois de muita polêmica, a Prefeitura de Cabo Frio confir­mou ontem à Folha que, enfim, firmou acordo de R$ 1 milhão com um parceiro para a festa de Réveillon na cidade: a rede ata­cadista Assaí, ligada ao grupo paulista GPA, do qual também fazem parte os supermercados Pão de Açúcar e Extra, as Casas Bahia e o Ponto Frio.

O problema é que faltou com­binar com a empresa, que afir­mou desconhecer a negociação, após consultas por e-mail feitas pela reportagem. Segundo a as­sessoria do grupo GPA, de fato, os custos da festa serão banca­dos pela iniciativa privada, mas pela Sendas Distribuidora S.A., cujo terreno na Avenida Améri­ca Central será ocupado por uma filial do Assaí. No entanto, até o fechamento desta edição, não foi possível confirmar a informação junto ao grupo Sendas, sediado em São João do Meriti, na Bai­xada Fluminense.

Outra incógnita envolvendo a mais controversa passagem de ano dos últimos tempos diz res­peito à própria autorização para a festa. Na véspera de Natal, a Justiça acatou pedido do Mi­nistério Público para cancelar o evento, em função da falta de solicitação da prefeitura junto ao Corpo de Bombeiros e à Polícia Militar. A desobediência à deci­são judicial pode valer multa de R$ 500 mil ao município e de R$ 5 mil ao prefeito Alair Cor­rêa (PP). A prefeitura, no entan­to, alegou que vai recorrer.

 

Foto: Frederico Santa Rosa

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira (29)