Assine Já
terça, 07 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53752 Óbitos: 2196
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15618 902
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7054 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
atropelamento

Acusado de atropelar e arrastar ciclista em 2014 será julgado nesta quarta-feira

Julgamento acontece no Tribunal do Júri da 2ª Vara Criminal de Cabo Frio

13 agosto 2019 - 17h20Por Redação I Foto: Reprodução
Acusado de atropelar e arrastar ciclista em 2014 será julgado nesta quarta-feira

Acontece nesta quarta-feira (14) no Tribunal do Júri, em Cabo Frio, o julgamento do empresário Mário Fernando Gomes Lucas, acusado de atropelar e arrastar por cerca de três quilômetros o ciclista Celso Brito de Lima, de 60 anos, em setembro de 2014. O atropelamento ocorreu na Avenida Wilson Mendes, na altura do Jacaré, mas o ciclista foi arrastado até o Jardim Excelsior, conforme registraram imagens de uma câmera de segurança localizada na Rua Capri.

O julgamento será realizado às 10h na 2ª Vara Criminal de Cabo Frio. O destino de Mário vai estar nas mãos do Conselho de Sentença, que é composto por sete jurados. Uma audiência de instrução foi realizada em janeiro de 2015, quando cinco pessoas, entre elas um policial militar, prestaram depoimento contra o réu, que responde em liberdade por homicídio qualificado.

O motorista dirigia uma picape Mitsubishi que circulou por diversas ruas da cidade, inclusive na contramão, com a bicicleta e a vítima presas debaixo do veículo. Segundo as investigações da Polícia Civil, à época, o motorista não parou a picape, mesmo após perceber que havia uma pessoa presa sob o veículo. Segundo a polícia, o motorista fugiu após soltar a bicicleta e o corpo de Celso da picape, que foi identificada após trabalho de investigação conjunta entre as polícias Civil e Militar.

No depoimento à polícia, Mário teria dito que não percebeu de imediato que Celso e a bicicleta estavam presos sob o carro. Como não houve flagrante, o empresário não ficou preso. O caso causou grande comoção na cidade na ocasião e ganhou repercussão até mesmo na imprensa nacional.