Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Polícia

Acusadas de tentativa de homicídio continuam presas e devem ser ouvidas

Caso Anansa e Priscila: Testemunhas serão ouvidas dia 10

26 agosto 2015 - 09h00

NICIA CARVALHO

 

 

 As testemunhas arroladas no processo contra Anansa Gon­çalves, 35, e Priscila Monteiro, 32, acusadas de tentativa de ho­micídio contra Raquel Marinho, de 35, no início de junho, serão ouvidas em audiência que está marcada para o dia 10 de setem­bro, no Fórum de Cabo Frio. O horário ainda vai ser definido pela Justiça. As duas mulheres continuam detidas no presídio de Bangu, no Rio de Janeiro, desde a segunda quinzena de junho. Ambas também devem prestar depoimento.

– Os filhos de Anansa estão com a avó, e eu não tenho con­tato com os meus filhos porque a Raquel tem medida protetiva contra mim. Logo, não posso chegar perto. Infelizmente, não conseguimos a liberdade delas e agora é torcer pelos esclare­cimentos na audiência – contou Rafael Almeida, namorado de Anansa.

Segundo ele, a prisão tempo­rária de ambas, de 30 dias, foi prorrogada. O prazo para apre­ciação do pedido de habeas cor­pus feito pela defesa à Justica, na segunda quinzena de junho, expirou. Moradoras do Jardim Esperança, Anansa e Priscila foram transferidas da Delegacia de Arraial do Cabo para o Com­plexo Penitenciário de Gerici­nó, Bangu 8.

Em duas ocasiões, familiares e amigos das acusadas protes­taram contra a prisão das mu­lheres, a primeira em frente ao Fórum de Cabo Frio e a segunda em uma carreata que partiu do Jardim Esperança até à Dele­gacia de Atendimento à Mulher (Deam). Eles alegaram falha na investigação da Deam, que con­duziu o processo.

Entenda o caso – Anansa e Priscila foram presas por Uma mãe acusou o Hospital da Mulher, em Cabo Frio, de negligência médica pela morte prematura de uma bebê na tarde de anteontem. Monique Cristina Barbosa, de 22 anos, teria rece­bido alta na segunda-feira, quan­do fez um parto espontâneo e perdeu o filho logo em seguida. Esse é o segundo caso de morte pós-parto na unidade somente neste mês.

De acordo com Lucas Con­ceição, o pai da criança, o parto foi realizado dentro de casa e a criança chegou morta na Uni­dade de Pronto Atendimento por conta

 de uma suposta participação numa tentativa de homicídio a Raquel Marinho. As acusadas teriam atirado no carro onde es­tava Raquel, ex-mulher do atual namorado de Anansa.

Os parentes, no entanto, apre­sentaram outra versão sobre o ocorrido, que teria sido moti­vada por ciúmes. Segundo eles, Raquel, ex-mulher de Rafael Almeida (atual de Anansa), não teria aceitado o fim do relacio­namento e não aprovava o novo envolvimento de Rafael.

Desde o início do ocorri­do, Robson Coelho, marido de Priscila, não quis se manifestar sobre nenhum aspecto do caso, seja a motivação, o pedido de prisão ou sobre o habeas corpus.

Familiares, assim como ami­gos da igreja metodista à qual ambas frequentavam no Jardim Esperança também afirmaram que o bom entendimento das duas com a irmã de Rafael era mal visto por Raquel. Inconfor­mada, a ex teria criado diversos artifícios para atingi-las, culmi­nado com a acusação de tentati­va de homicídio.

– Todos a conhecem – afir­mou o pastor Herlon Romão.