Assine Já
domingo, 01 de agosto de 2021
Região dos Lagos
19ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46303 Óbitos: 1873
Confirmados Óbitos
Araruama 11418 357
Armação dos Búzios 5492 58
Arraial do Cabo 1574 87
Cabo Frio 12663 757
Iguaba Grande 4763 115
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
QUEDA DE BRAÇO

Acia pode ir à Justiça para derrubar exigência de fazer exames de Covid em funcionários do comércio

Entidade afirma que responsabilidade da testagem dos trabalhadores é do poder público

25 junho 2020 - 21h33Por Redação

A presidenta da Associação Comercial, Industrial e Turística de Cabo Frio (Acia), Patrícia Cardinot, falou à Folha, nesta quinta-feira (25), que a entidade pode recorrer à Justiça para derrubar a exigência feita pela Prefeitura de que os estabelecimentos comerciais da cidade devem fazer testes rápidos de Covid-19 em seus funcionários.

Conforme dito em uma nota de repúdio emitida pela associação, a empresária reforçou que a entidade que vai 'até o fim' para que o decreto seja alterado e a imposição seja derrubada. Entretanto, Patrícia destaca que pretende negociar com a Prefeitura, antes de tomar uma medida mais dura.

– Vamos até o fim, sim. Estamos dispostos [a recorrer à Justiça], mas tentaremos inicialmente um acordo, apenas com a carta de repúdio. Mas se necessitar entraremos com ação – garante.

A determinação para a realização dos testes está no decreto municipal nº 6.278, publicado nesta segunda-feira (22).  Segundo o decreto, a medida se tornou necessária devido ao aumento de 40,3% de casos confirmados de coronavírus e 11 óbitos no munícipio nos últimos 15 dias.

Por sua vez, a Acia argumenta que a realização dos testes é de responsabilidade do município e do governo do Estado. De acordo com a entidade, os comerciantes ainda sofrem os efeitos econômicos da pandemia e estão seguindo todas as regras impostas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A entidade classificou a obrigatoriedade como ‘absurda’ em texto divulgado, nesta quinta, à imprensa.

"Não podemos pagar pela falta de estrutura na saúde do Estado do Rio, do Brasil e de Cabo Frio. Solicitamos, com urgência, a revisão desse decreto pelo prefeito e seu gabinete de crise. Queremos e vamos colaborar, mas precisamos que o governo também tenha sensibilidade com esse momento atípico e crítico que a nossa população e nosso comércio estão vivendo. Não é o momento de obrigatoriedade, mas sim de acolhimento com nossos comerciantes que ajudam a manter e gerar empregos na cidade", finaliza a nota.

A Folha entrou em contato com a Prefeitura de Cabo Frio, que não se pronunciou sobre a cobrança feita pelos comerciantes.

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.