Assine Já
quinta, 29 de julho de 2021
Região dos Lagos
17ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46093 Óbitos: 1865
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12599 755
Iguaba Grande 4756 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Lei Maria da Penha

Ação social marca os 13 anos da Lei Maria da Penha

Serviços serão oferecidos na Praça Porto Rocha na quarta-feira (07)

05 agosto 2019 - 14h12Por Redação I Foto: divulgação
Ação social marca os 13 anos da Lei Maria da Penha

Em comemoração aos 13 da Lei Maria da Penha, a Prefeitura de Cabo Frio promove nesta quarta-feira (7), uma ação social na Praça Porto Rocha. Entre 8h30 e 16h, serão oferecidos serviços como orientação jurídica, emissão de 2ª via de certidões, aferição de pressão arterial e glicose, corte de cabelo, maquiagem, aplicação de flúor, dentre outros. A programação também conta com atividades como roda de conversa, exposição de artesanato e apresentações de dança do ventre e do coral de idosos.

O evento é realizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos e da Mulher (Sedesdim) e pela Coordenadoria-Geral dos Direitos da Mulher (Cogedim), em parceria com a Câmara Municipal, OAB Mulher, Associação Comercial Industrial E Turística (Acia), Escola Técnica da Aplicação Profissional (ETAP), Guardiões da Tradições Militares Aeroterrestres (GTMA), Conselho Comunitário de Segurança (CCS), Prolagos, Hotel Paradiso Del Sol e Instituto Embeleze.

De acordo com a coordenadora-geral da Cogedim, Nilma Carneiro, a data deve ser relembrada para destacar a importância de denunciar qualquer tipo de violência.

“A criação da Lei Maria da Penha foi de extrema importância na luta contra a realidade assustadora de violência doméstica e contra a desigualdade de gêneros. O número de denúncias aumentou pois as mulheres passaram  a conhecer efetivamente os direitos. Foram criados serviços como a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) e o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (CEAM), dentre outros. Precisamos lutar para mudar esse paradigma, pois segundo pesquisas, no Brasil ocorreram mais de 200 feminicídios em 2019 e apesar de todos os esforços do Poder Público e da sociedade a violência contra a mulher continua em índice muito alto. Precisamos prosseguir nessa luta para tentar mudar essa realidade cruel em relação às mulheres”.