Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Nazaré

A 'primeira-ministra' da Câmara de Cabo Frio: conheça a chefe de gabinete da Presidência Nazaré Paiva

Há 33 anos na função, a servidora pública ganhou o respeito de todos com profissionalismo e carinho de 'mãe'

01 novembro 2015 - 17h19Por Rodrigo Branco
A 'primeira-ministra' da Câmara de Cabo Frio: conheça a chefe de gabinete da Presidência Nazaré Paiva

Para os iniciantes na rotina da Câmara Municipal de Cabo Frio, vale o aviso. Vereadores governistas e oposicionistas à parte, convém não se indispor com a chefe de gabinete da Presidência Maria de Nazaré Paiva de Castro; dona Nazaré, para os parlamentares e o grande público e ‘Naza’, para os mais chegados. De uma forma ou outra de tratamento, é bom saber que o ‘poder’ está com ela. Com a autoridade de quem dá expediente há 33 anos na Casa e conheceu inúmeros políticos que marcaram a história da cidade, a acreana de Rio Branco é respeitada por todos. É, nas palavras do vereaedor estreante Aquiles Barreto, um ‘patrimônio’.

– Toda vez que começa uma nova legislatura, a primeira coisa que eles fazem é me procurar. A maioria deles eu já conheço antes de entrar na Casa. Então eu sou a ‘mãezona’ deles, tudo é a dona Nazaré. Se não falarem ‘dona Nazaré’ não funciona nada – diverte-se.

Mas nem tudo na vida de Nazaré sempre foi motivo para sorrisos. Desde 1970 em Cabo Frio, chegou a abrir uma loja de móveis, mas com as lambanças na área econômica do governo Collor, teve o negócio fulminado e ‘quebrou’. Ela, que já trabalhara cinco anos no INSS antes de ingressar na Câmara, por concurso, em 1982, se apegou ao trabalho para ajudar a sustentar a família. Mas a sua relação com o parlamento cabofriense está longe de ser apenas por necessidade.

– Fico satisfeita de vir todo dia à Câmara. Eu visto a camisa. Gosto de trabalhar e estar aqui todos os dias. Fico aqui 14, 16 horas. Aqui é meu convívio. Maior até do que com minha própria família. O dia em que eu falto é por uma extrema necessidade. E não tiro férias há 10 anos porque não tem quem me substitua – afirma, sem qualquer traço de arrogância.

Quem a vê se equilibrando sobre o salto alto com uma pilha de pastas e papéis nas mãos sabe que não é exagero. Apesar da função de chefia de gabinete aparentemente estar restrita à Presidência, tudo relativo à documentação passa por ela. Aliás, é difícil saber qual assunto não passa. Do atendimento ao público à segurança. Sua importância é tanta que se senta à Mesa Diretora durante as sessões junto com o presidente Marcello Corrêa e os secretários Eduardo Kita e Vinicius Corrêa.

Frequentemente é requisitada pelos vereadores e, da mesma forma, os orienta, mas também sabe cobrar (“Às vezes é necessário dar um puxãozinho de orelha e me tacham de durona”). Sem perder a ternura maternal, como ela mesmo disse. Embora evite criticar o comportamento dos atuais ocupantes das 17 cadeiras da Casa, ela não titubeia em enumerar os antigos legisladores de que sente falta.

– Tenho muita saudade do Acyr Rocha, de Walter Bessa, de Ayres Bessa, Antônio Carlos Trindade e de muitos outros. Não apenas porque me dava bem com eles como funcionária, mas também pelo lado legislativo, de saber como dirigir os trabalhos. Falta um pedaço deles na Casa – comenta com nostalgia.

Mas não é só pela competência que ela é reconhecida. A elegância traduzida no escarpim (“Uso há 40 anos”), no terninho azul e na maquiagem impecável é uma marca registrada. ‘Naza’ diz que o trabalho e o local pedem a vaidade. A mesma que a impede de revelar a idade. Mas nada que não seja deixado de lado nos (raros) momentos de folga.

Nessas horas, ela não dispensa a velha sandália rasteirinha e uma roupa confortável, mas confessa que quase não é reconhecida. Fora do habitat natural, Nazaré, que é casada e mãe de quatro filhas (nenhuma envolvida com política, ressalta), se dedica diariamente há 30 anos à sua caminhada na Praia do Forte e há seis, às aulas de Pilates. Mas é mesmo no papel de servidora, que ela ganhou a admiração pública. Justamente por não esquecer o princípio básico do seu trabalho.

– Treino meus colegas para que deem um bom atendimento, sempre com um sorriso, um bom dia. Como funcionários públicos temos a obrigação e dever de atender bem a população, independente de cor e credo – ensina a 'primeira-minstra' Nazaré.