Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43614 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4486 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Olimpíadas

Olimpíadas devem gerar R$ 2,7 bilhões para o Estado do Rio

Montante é pouco menor do que o gerado na Copa

19 julho 2016 - 11h08Por Redação
Olimpíadas devem gerar R$ 2,7 bilhões para o Estado do Rio

Os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que serão disputados em agosto e setembro no Rio de Janeiro, deverão gerar receita em torno de R$ 2,7 bilhões para o setor turístico do estado, por meio dos gastos dos turistas brasileiros e estrangeiros. Conforme estudo divulgado ontem, no Rio, pela Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a entrada desses recursos significará aumento de 18,8%, em termos nominais, em comparação com igual período do ano passado.

“Isso em um momento em que o turismo e todas as atividades econômicas estão passando por queda de receita”, destacou o economista da CNC Fabio Bentes. Ele disse à Agência Brasil que, descontada a inflação, o aumento real de receita alcançará 10% durante os dois meses de Jogos.

O estudo é baseado em previsões da CNC e do Ministério do Turismo. Os cálculos foram feitos com base na conta turismo que será gerada para o país, e o resultado indica que cada visitante estrangeiro vai deixar no estado do Rio de Janeiro, nos próximos dois meses, o equivalente a R$ 3.089.
Bentes lembrou que o valor é um pouco menor que o deixado por visitante internacional na Copa do Mundo, em 2014, que ficou em R$ 3.300. “A diferença é que, na Copa, o Brasil estava mais caro para o turista estrangeiro. O dólar equivalia a R$ 2,25 e hoje está em torno de R$ 3,30. Ou seja, precisa-se de menos dólares para cobrir gastos que normalmente ocorrem em grandes eventos.”

De acordo com a CNC, o aumento da receita já era esperado por causa do fluxo de turistas que virão ao Rio. “Entre brasileiros e estrangeiros, estima-se 1,4 milhão de turistas circulando e consumindo na cidade.” Bentes disse que o setor de alimentação deverá concentrar boa parte da receita, mas ressaltou que existem outras áreas importantes, como hotelaria, aluguel de veículos e passagens aéreas em que boa parte do gasto já ocorreu. Ele acrescentou que, durante os Jogos, algumas atividades serão mais beneficiadas, como a alimentação, em que o faturamento ocorre na hora do consumo, e os transportes, inclusive o público.

Trabalho temporário – O estudo da CNC destaca ainda que as contratações temporárias não deverão ser muito expressivas no período dos Jogos. Estima-se que sejam contratadas em caráter temporário 4.080 pessoas para trabalhar formalmente no bimestre, o que representa 1% da força de trabalho do turismo no estado e ´pode ser explicado pela capacidade ociosa que o setor passou a enfrentar com o agravamento da crise econômica.
“Em um momento de crise, as famílias normalmente cortam gastos com lazer, com turismo. Como a crise se acentuou nos últimos 12 meses, muitos empresários de turismo optaram por não demitir tão fortemente como outros setores, porque a demissão também gera gastos. Eles seguraram parte dessa capacidade ociosa da força de trabalho”, lembrou.

Os setores que deverão concentrar a maior parte dessas contratações temporárias é o de alimentação, que inclui restaurantes, bares e lanchonetes, e o de transporte rodoviário, equivalendo a mais de 40% da força de trabalho do setor de turismo. “São os grandes empregadores do setor de turismo e respondem por três quartos da força de trabalho do turismo fluminense”, afirmou Bentes.