Assine Já
quinta, 04 de março de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 26990 Óbitos: 930
Confirmados Óbitos
Araruama 6793 183
Armação dos Búzios 3248 32
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7495 359
Iguaba Grande 2563 58
São Pedro da Aldeia 3575 126
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
Treinador

Hungaro, novo técnico da Cabofriense, promete melhorias na base

Treinador determina “grandes objetivos” para a próxima temporada

10 dezembro 2015 - 09h52

Sereno, com um sorriso no rosto, Eduardo Hungaro recebeu a imprensa e falou sobre as no­vas pretensões da Cabofriense nesta temporada. O técnico será anunciado no próximo dia dez, no Correão, junto do restante do elenco. Hungaro, que já coman­dou o Botafogo na Libertadores em 2014, quer reforçar os traba­lhos de divisão de base no clube.

Eduardo Hungaro, no entanto, não teve uma boa passagem pelo Alvinegro. Ele foi promovido de auxiliar técnico para coman­dante do clube na Libertadores. Após o fracasso na competição, em que o Botafogo saiu ainda na primeira fase, Hungaro voltou ao cargo anterior e seria demiti­do do clube ainda no fim do ano.

O técnico chegou ao Botafo­go em 2010 para treinar a cate­goria sub-13. Hungaro subiu de­graus muito rápido no Alvinegro e logo no ano seguinte assumiria os juniores do clube. O título estadual com a molecada alvi­negra daria ainda mais moral ao carioca, uma vez que o time não era campeão já faziam dez anos.

Em 2013, Hungaro se juntaria aos trabalhos profissionais do time de General Severiano, onde auxiliaria o técnico Oswaldo de Oliveira, atualmente recém-de­mitido do Flamengo. Ele, no ano passado, assumiria o cargo após a não renovação de contrato de Oswaldo.

Folha dos Lagos: Aprovei­tará as categorias de base do clube?

Eduardo Hungaro: Estou aqui para isso. Aliás, hoje todo técnico deve fazer a interação das categorias de base com os profissionais dentro de campo. É a única saída. Fiz um estudo que apontou que jovens jogado­res de até 23 anos invadem os clubes brasileiros. São 118 no total. Ao que parece, os clubes despertaram para essa neces­sidade. Esse número contradiz a frase que o futebol brasilei­ro não revela mais ninguém. Pode procurar nas ligas de todo mundo, que você não acha essa quantidade de jovens jogado­res. É uma tendência do futebol moderno.

Folha: Qual é a sua expecta­tiva para a Cabofriense?

Hungaro: O elenco está sen­do montado. A maioria ainda está em observação. Conheço muitos jogadores, trabalhei com alguns. Garanto que tenho boas informações dos atletas que já estão aqui. Estamos observando atletas com pré-contrato assina­do e de olho no mercado tam­bém. Mas prefiro não adiantar nada para não atrapalhar as ne­gociações em andamento.

Folha: Qual o motivo da sua vinda para Cabo Frio?

Hungaro: Aqui o clube tem uma margem de crescimento muito grande. Claro que falo de um trabalho de médio a longo prazo. Esse é o meu sexto clube e, sempre que chego num clube, proponho um trabalho com iní­cio, meio e fim. Não acredito em grandes vitórias e grandes obje­tivos conquistados a curto prazo. Então, vai depender de realizar­mos um bom ano de 2016 e criar uma base de trabalho que dê sus­tentação para obter os objetivos, que serão grandes – garantiu o novo técnico, reforçando o oti­mismo em sua fala.