Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
higuita

Higuita: de Cabo Frio para a Copa do Mundo de Futsal

Goleiro revelado nas quadras da cidade fala do sonho de defender o Cazaquistão na competição

20 setembro 2016 - 13h28Por Gabriel Tinoco
Higuita: de Cabo Frio para a Copa do Mundo de Futsal

Quando aquele jovem cabeludo protagonizava milagres pelas quadras do Cabo Frio, todo mundo dizia: esse menino vai longe. Mas ninguém sabia o quanto. Hoje, Leonardo de Melo Vieira Leite, aos 30 anos, responde pelo apelido de Léo Higuita e carrega no nome o título de melhor goleiro do planeta. Ele estará na terra do folclórico ídolo René Higuita, a Colômbia, para disputar a Copa do Mundo de Futsal, defendendo o Cazaquistão, país onde atua no forte time do Kairat, atual vice-campeão mundial de clubes. Em entrevista à Folha, Higuita descarta um favoritismo cazaque, revela a ansiedade por um jogo contra a Seleção Brasileira e garante: vai tentar encontrar o ídolo e xará colombiano.

Classificado para a fase eliminatória, o Cazaquistão de Higuita enfrenta a poderosa Espanha, uma das favoritas ao título. O jogo acontecerá nesta quarta-feira (21).

Folha dos Lagos – Qual o maior adversário nesta Copa do Mundo?

Léo Higuita – São muitas seleções qualificadas. Temos adversários duríssimos. Não podemos cravar qual é o mais forte. Temos que pensar nos primeiros adversários, que, por sinal, são bem fortes.

Folha – Como seria um confronto contra o Brasil?

Higuita – Será muito especial. É a minha pátria de nascimento, o país que me deu o futebol. Será um prazer. Entrarei para dar o meu máximo, mas com muito respeito. Com certeza será um dia que vai ser guardado para o resto da vida.

Folha – Qual a expectativa para o Cazaquistão nesta Copa? Como os torcedores estão?

Higuita – A nossa expectativa é a melhor. Mas com os pés no chão. Sabemos que têm outras seleções favoritas. Os torcedores estão conosco. Todos vêm nos apoiando muito e mandando bastante energia positiva. O país vai parar para ver o futsal.

Folha – Como vê a atual geração brasileira de futsal?

Higuita – É uma geração de craques. O Brasil é assim. Nunca vai existir uma safra limitada no país. Esse time tem totais condições de ser campeão mundial novamente.

Folha – O número de brasileiros naturalizados é um fator determinante para o crescimento do futsal no Cazaquistão?

Higuita – Vejo como uma ajuda. Isso porque são apenas 3 naturalizados. Os jogadores locais têm muita qualidade. Nós , naturalizados, chegamos apenas para somar. Vejo o crescimento técnico desses jogadores locais de perto. O crescimento do futsal no Cazaquistão também se deve muito ao nosso treinador brasileiro Cacau. Ele implantou uma filosofia de trabalho muito boa, que foi muito bem assimilada pelos jogadores. É um trabalho de 5 anos frente à seleção. O crescimento se deve muito a ele.

Folha – Vai tentar encontrar o René Higuita?

Higuita – Seria um sonho e um prazer conhecê-lo. Ele é um ídolo nacional e um ídolo para mim. Tentarei encontrar, só não sei se vou ter tempo. Mas quero muito ter algum tipo de contato com ele.