Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
henrique

Henrique Da Silva é homenageado pelo Olimpia, do Paraguai

Ex-jogador cabista reencontrou colegas em aniversário do título da Libertadores

04 agosto 2017 - 10h35Por Gabriel Tinoco I Foto: Arquivo Pessoal
Henrique Da Silva é homenageado pelo Olimpia, do Paraguai

“A união do grupo foi fundamental”. O desabafo do cabista Henrique da Silva, o Da Silva, resume o Olímpia, campeão da Libertadores de 2002: um grupo que usou da união para superar times como Flamengo, Boca Juniors, Grêmio e São Caetano. O mesmo espírito ‘copeiro’ levou o ex-lateral a reencontrar os velhos companheiros na sede do Olímpia, em Assunção (PAR), na segunda – exatos 15 anos depois do tricampeonato em pleno centenário do clube.
– O combinado é que agora vamos nos reunir nessa data em todo ano. Tudo para comemorarmos e ficarmos mais perto um do outro – revela.  
O atleta chegou ao modesto Cerro Corá (PAR) em meados da década de 1990. O lateral foi contratado pelo Cerro Porteño. Após rápida passagem pelo Atlético Mineiro, Da Silva acertou com o Olímpia em 2000. No maior time do país, ganharia mais bagagem na Libertadores.
– Os árbitros eram muito caseiros. Davam tudo para o time da casa. Certa vez, jogamos na Colômbia contra o América de Cali. O exército estava nas ruas. Dentro de campo, os jogadores  nos ameaçavam: “se ganharem a partida, não vão sair vivos. Nosso time é de traficante”.
Naquele ano, o time cairia na fase de grupos. Porém, em 2002, veio a redenção. Os paraguaios lideraram a chave do Flamengo com 11 pontos. Os rubro negros não conseguiram passar da primeira fase. Segundo ele, os brasileiros não sabem lidar com a catimba.
– Antigamente os times brasileiros não entravam com tanta vontade de vencer a Libertadores. Não era prioridade. Hoje em dia é. É um jogo com muita catimba e os brasileiros não aprenderam a lidar com essa pressão – analisa o ex-lateral do Olímpia, que derrotou o Flamengo por 2 a 0 em casa e conseguiu empate sem gols no Maracanã.
Apesar da boa campanha na fase de grupos, o clube começou a sonhar com o título após encarar o todo poderoso Boca Juniors nas quartas. O Olímpia segurou  o empate por 1 a 1 na temida La Bombonera. O resultado permitiu que uma vitória simples em Assunção mandasse o atual bicampeão da América de volta para casa.
– Foi memorável ver o estádio lotado. Não dá para escutar nada. A torcida não para de cantar. Além disso, o time tinha Riquelme, Tévez, Palermo... Outro jogador que me lembro bem era o Schelotto, que jogava justamente pelo meu lado. Realmente era complicado de marcar. O Riquelme também era muito inteligente. Ele que organizava, era o cara do time.


* Confira matéria completa na edição de sexta da Folha dos Lagos