Assine Já
quarta, 27 de outubro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Esportes

Futebol feminino respira em Cabo Frio

Seleção feminina surge na cidade para dar oportunidade a meninas boas de bola

08 junho 2019 - 17h34
Futebol feminino respira em Cabo Frio

ALEXANDRE FILHO

A Copa do Mundo de Futebol Feminino começou ontem na França. E, apesar de a estreia do Brasil neste domingo, em Cabo Frio os bares da cidade não receberam público para assistir aos jogos de estreia e camisas do Brasil não eram vendidas nas ruas da cidade. O cenário, distinto daquele visto em 2018 durante a Copa da Rússia, reflete a falta de valorização da presença feminina no esporte. 

Aos poucos, no entanto, ações aparecem para virar esse jogo. E Cabo Frio também tem iniciativas do tipo. É o caso da seleção feminina de futebol de Cabo Frio. Fruto de um projeto da prefeitura, o time conta com 50 atletas amadoras e recentemente conquistou o título do Campeonato Intermunicipal do Estado do Rio de Janeiro.

Ao comentar sobre a atual situação do esporte no país, o técnico da equipe feminina de Cabo Frio, Djalma Leite, argumenta que o maior problema é a discriminação e o preconceito que ainda existe na sociedade em torno da prática do futebol feminino.        

– Infelizmente, o futebol feminino é meio discriminado. Acham que a mulher vai se tornar masculinizada porque pratica futebol, mas o futebol não tem gênero. Muitas famílias também pensam que se a menina praticar futebol ela vai se tornar homossexual, e o futebol não está relacionado com isso. Porém, eu acho que essa mentalidade está mudando, esse panorama está melhorando. Mas o que falta mesmo é fazer as pessoas perderem esse preconceito de dizer que futebol não é coisa de mulher – disse.     

Cria da seleção de Cabo Frio, Maxinny Lúcia Pereira Damasceno, 24 anos, defendeu a camisa do Vasco e chegou à Seleção Brasileira Sub-17, vencendo o Sul-Americano e disputando o Mundial da categoria.

Atualmente auxiliar técnica na seleção feminina de Cabo Frio, ela afirma que a cidade precisa de mais investimento para que o esporte cresça e a cidade revele mais talentos que possam representar o país.  

– O futebol feminino, principalmente em Cabo frio, precisa de uma visibilidade e de um marketing maior. Hoje, o futebol feminino é uma atração, está em seu auge no país, e em Cabo Frio os olhos dos empresários e da cidade precisam se voltar para isso. Quantas meninas tiveram que sair daqui e ir para a capital jogar para poder realizar seus sonhos? A nossa cidade precisa de mais visibilidade e investimento, porque talento nós temos – declarou.  
Fora do contexto das competições profissionais e amadoras, a mulherada também vem batendo um bolão e buscando seu espaço nos campos de pelada da cidade. Com 12 anos de existência, o Salto Alto FC é composto por 25 mulheres que todas as quintas-feiras se reúnem no campo do Galiotto para bater uma “pelada”.

– A ideia inicial surgiu pela grande admiração pelo esporte. A gente foi catando gente daqui e dali e no início a gente tinha que buscar gente para jogar mesmo. Hoje nós temos um grupo fechado com 25 meninas e fila de espera. Nós não passamos por nenhum tipo de preconceito, mas ninguém acreditou que seríamos tão persistentes ao ponto de somarmos 12 anos de pelada, frequentando o mesmo horário e local, sempre nas quintas-feiras. Tornou-se um compromisso nosso e ninguém marca nada para as noites de quinta-feira – explicou a professora de educação física Daniele Mattos, organizadora do grupo, que segundo ela tem até lista de espera para participar. 

Apaixonadas por futebol, o grupo vai na contramão da maioria da população e afirma que já está se organizando para acompanhar Marta, Formiga e cia. nesta Copa do Mundo.  

– Nós com certeza iremos assistir aos jogos juntas. Já estamos nos organizando, construindo um calendário e vendo um local para que possamos vibrar pela Seleção Brasileira de Futebol Feminino – concluiu.