Assine Já
quarta, 02 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12808 Óbitos: 546
Confirmados Óbitos
Araruama 2519 121
Armação dos Búzios 1300 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3851 182
Iguaba Grande 1182 41
São Pedro da Aldeia 1997 76
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
Correão

Furtos no Correão fazem Cabofriense decidir sorte no Carioca longe de casa

Estádio não tem liberação dos Bombeiros e equipe encara o Bonsucesso em Friburgo

18 janeiro 2017 - 10h25Por Gabriel Tinoco I foto: Arquivo Folha
Furtos no Correão fazem Cabofriense decidir sorte no Carioca longe de casa

Quando a Cabofriense entrar em campo, hoje, às 16h30, para enfrentar o Bonsucesso, será novamente longe de sua casa. Esta é a segunda partida – a primeira foi contra o Campos, sábado – que a equipe disputará em Nova Friburgo, apesar de ter o mando de campo. Segundo o presidente do clube, Valdermir Mendes, o contratempo tem razões muito sérias: ele afirma que todo o material de combate a incêndio do Correão foi roubado, e que, inclusive, um funcionário do clube já foi até a 126ª DP (Cabo Frio) prestar queixa. Sendo assim, o estádio não tem a liberação do Corpo de Bombeiros. Valdemir afirma ainda que só tomou pé da situação em dezembro, pouco antes da estreia da Cabofriense no Carioca.

– Roubaram tudo que tinha para o combate a incêndio. Levaram tudo mesmo: extintores, mangueira, esguichos e conexões. Os bombeiros foram fazer a vistoria e não deram o aval para a liberação do estádio. Por isso a Cabofriense está sem jogar em Cabo Frio – diz.

Além do prejuízo desportivo, a interdição do Correão gera outro tipo de problema: o dinheiro.

– Isso influencia fora e dentro de campo. Tem gastos e são muito altos. Há gasto para deslocamento, pagar hotel, alimentação... Em casa, tenho um gasto entre R$ 7 mil e R$ 8 mil. Quando o time joga fora, esse valor aumenta para R$ 14 mil – conta.

Paralelamente à luta do time – que está na quarta posição na Seletiva do Carioca (só os dois primeiros passam à próxima fase) –, Valdemir trava uma batalha para ver o Correão liberado ao menos para a última partida, dia 24, contra a Portuguesa, que é de mando de campo do clube. Para isso ele se reuniu com o proprietário de uma empresa de combate a incêndio.

– Eu pessoalmente iria comprar o material para jogar lá. Estou trabalhando para isso. Estou fazendo intervenções na tribuna e na passagem de emergência. Nunca pediram isso desde a inauguração do estádio – diz.

Para cumprir seu objetivo, o cartola conta com a ajuda do comandante do 18º Grupamento Bombeiro Militar (GBM), de Cabo Frio, Cássio Capelli, que está dando orientações.

– O coronel dos Bombeiros está dando todo o suporte, mas temos que entender que o estádio é municipal. Não é da Cabofriense. Isso depende de documentação, de assinatura. Estamos tentando resolver no diálogo.

O time

Em quarto lugar no grupo A do Campeonato Estadual, com apenas um ponto, o Tricolor Praiano não pode pensar em qualquer outro resultado que não seja a vitória diante do Bonsucesso, que está uma posição abaixo na tabela, mas com a mesma pontuação.

O time tem o mando da partida, mas atuará em campo neutro, no Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo, por causa do veto ao Correão.

A partida começará às 16h30 e terá arbitragem de Leonardo Garcia Cavaleiro, auxiliado por Thiago Gomes Magalhães e Wendel de Paiva Gouvêa.

Prováveis Escalações:

Cabofriense: George; Pedro, Douglas Assis, Leandro Euzébio e Leandro; Régis, Diego Silva e Mateus Leandro; Rafael Pernão, Sabão e Max (Marcos Paraná). Técnico: Júnior Lopes.
 
Bonsucesso: Luis Henrique; Wander, Américo, Vítor e Marquinhos; Júnior, Julinho, Magno e Magnum; João Carlos e Dudu. Técnico: Heron Ferreira.