Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Portugal

Festa portuguesa por conquista da Eurocopa ecoa em Cabo Frio

Torcedores e ídolos do país que moram na cidade vibram com título

12 julho 2016 - 11h00Por Gabriel Tinoco
Festa portuguesa por conquista da Eurocopa ecoa em Cabo Frio

O grito de campeão, entalado nas gargantas lusitanas há mais de dez anos, atravessou o Oceano Atlântico e desembarcou feito uma caravela no país do futebol. Os portugueses, enfim, conquistaram a Eurocopa com vitória por 1 a 0 diante da França dentro do território adversário. A façanha causou alvoroço também por aqui, na Região dos Lagos, de torcedores e simpatizantes da seleção comandada por Cristiano Ronaldo.

“Só volto no dia 11 a Portugal e serei recebido em festa”. Inicialmente, a profecia feita pelo técnico Fernando Santos foi encarada com deboche. O treinador cumpriu a promessa com gol previsto pelo craque Cristiano Ronaldo, que abandonou o campo machucado logo nos primeiros minutos de jogo.
Fato é que Portugal conseguiu segurar os donos da casa até a prorrogação, quando Éder acertou chute de fora da área e definiu o placar.

A seleção já tinha batido na trave na Copa de 1966, quando, sob a batuta do astro Eusébio, chegou ao terceiro lugar; no maior drama da história quando o time foi derrotado pela Grécia na final da Euro de 2004 diante de milhares de narizes portugueses; e finalmente, na Copa de 2006, no ano em que foi eliminada justamente pela França do francês Zidane.

Ontem foi a forra portuguesa. É como avalia o ex-jogador Isaías, morador de Cabo Frio e ídolo do Benfica (POR).

– A França era favorita e estava jogando em casa. Seria difícil. Como foi. A equipe se superou. O goleiro português (Rui Patrício) foi o melhor em campo, porque defendeu bolas cruciais. E, como diz o ditado, quem não faz acaba por tomar. É um título que já deveria ter saído. Revivemos 2004 – comemorou.

O atacante Maciel Lima, curiosamente, era atleta do Porto (POR) no ano da Euro de 2004.

– Foi um grande jogo. O coletivo fez uma excelente partida. A hora do gol foi o momento mais emocionante. Não tem como esGabrielTinocoquecer a época em que atuava lá. Meu filho é português e viu o jogo comigo. Naquela época (Eurocopa de 2004), foi uma sensação ruim. O time da Grécia não era tão bom. Ninguém acreditava que poderia vencer Portugal. Tinha craques como Figo, Rui Costa, Deco... Foi triste, mas agora veio a alegria.

A publicitária Bruna Caetano, 24, assistiu a partida sozinha, mas não deixou de vibrar.

– Mesmo sozinha, torci muito. Quando saiu o gol no final do jogo, fui na até na varanda comemorar. A maioria das pessoas estava achando que o jogo estava ganho para a França. Sabia que seria muito difícil vencer a França em casa. Mas futebol não é uma matemática certa – disse.

E, de passeio pela Europa, alguns brasileiros embarcaram na comemoração do título.

A estudante Natália Morgado, 21, viu os portugueses eufóricos pela surpreendente vitória.

– Meus primos assistiram num bar em Castro Daire. E estava lotado. Houve muita festa na rua. Mas vi na casa dos tios com minhas primas. Houve muita gritaria quando ganharam. A maioria se reunia nas ruas das cidades grandes. E eles estavam bem animados porque os franceses estavam se garantindo como se já tivessem ganhado.

O empresário Gabriel Negreiros, 23, ficou impressionado com a festa portuguesa.

– Os portugueses estavam completamente vidrados. Não se falava em outra coisa. Todo mundo com camisas, bandeiras e fazendo buzinaço. O jogador mais comentado, é claro, era o Ronaldo. Mas eles falavam muito do goleiro Rui Patrício e do volante Renato Sanches – comentou.