Assine Já
sábado, 23 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Carioca

De olho na vitrine do Carioca

Em diferentes momentos da carreira, Abner e Café projetam bom Estadual

22 janeiro 2016 - 11h47
De olho na vitrine do Carioca

Um já disputou torneio internacional na Itália e na Arábia e jogou no Santos de Neymar, Robinho e Ganso. O outro deslanchou a fazer gols na base da Cabofriense e encara seu primeiro Estadual como profissional. Um já rodou bastante, apesar da pouca idade, cometeu erros e voltou ‘para casa’ para começar de novo. Já o outro tem um futuro de páginas completamente brancas pela frente. O volante Café, 26, e o atacante Abner, 20, têm trajetórias diferentes, mas objetivos em comum: ajudar a Cabofriense a se classificar às finais do Carioca e aproveitar a vitrine da competição para decolar – ou ‘redecolar’ – com a carreira.

Um pouco tímidos, mas bem humorados, as duas crias do clube receberam a Folha na manhã de ontem, no Correão, e falaram sobre a convivência no elenco, o novo técnico Eduardo Hungaro e as pretensões do clube no Carioca, que para a Cabofriense começa no sábado, dia 30, em casa, contra o América.

Folha dos Lagos – Vocês são crias daqui, da base da Cabofriense, e moradores da região. Vai ser diferente jogar esse Carioca na frente dos amigos e da família?

Café – Eu nasci no Rio, mas fui criado em São Pedro, então a família vem toda ao jogo, os amigos também. É diferente jogar para sua torcida, ainda mais para gente conhecida e porque o campo é bem pertinho, dá para ouvir tudo. Dá mais motivação. Eles incentivam, cobram, cornetam, mas sempre buscando o que é melhor para você.

Abner – A torcida em geral é muito apaixonada pelo clube e ajuda bastante; com familiares e amigos, então, o incentivo é bem maior. A minha família já tem até um assobio próprio, então quando eu estou no campo e ouço, já sei que é para mim (risos).
 

*Leia entrevista completa na edição inpressa da Folha desta sexta-feira.