Assine Já
terça, 29 de setembro de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8374 Óbitos: 431
Confirmados Óbitos
Araruama 1653 103
Armação dos Búzios 495 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2757 145
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 68
Últimas notícias sobre a COVID-19
leanderson

De Cabo Frio para o Brasil

Ala cabofriense Leanderson é um dos destaques do país no futsal

03 julho 2015 - 09h03

Nas divisões de base do Rosa de Saron, um jovem menino ensaiava os primeiros dribles da carreira. Promissor, Leanderson Sant’anna não teve medo de se arriscar: saiu de Cabo Frio, sua cidade natal, para ganhar destaque nacional. O ala é uma das principais armas do Floripa na Liga. Leanderson é um dos artilheiros do clube de Santa Catarina com quatro gols marcados – um deles, inclusive, colocou o Floripa na segunda fase da competição, na vitória por 2 a 1 sobre o Tubarão.
– Consegui fazer uma Liga muito regular. Não é fácil manter a regularidade com tantos jogos, foram 18 ao total em que entrei em quadra. Graças a Deus não tive problemas com lesões e isso me ajudou muito. Tive momentos especiais, como os dois gols da vitória sobre o São Paulo, em que estávamos com um jejum de oito partidas sem vitórias, e no gol contra o Tubarão, que acabou classificando nossa equipe para a segunda fase. Mas consegui ajudar meus companheiros de outra forma também e se não fosse por eles também não conseguiria ter destaque.
Dentro de quadra, Leanderson funciona como arco e flecha. A marcação implacável se alia ao talento para alterar o placar eletrônico. E ainda sobra tempo para mostrar o repertório de dribles: a facilidade para colocar a bola por entre as pernas do adversário rendeu um carinhoso apelido ao cabofriense, agora mais conhecido como ‘Rei das Canetas’. Mas ele não deixa a modéstia de lado e diz que as fintas são um simples recurso.
– Não fico pensando nos dribles que vou dar. É no calor do jogo e acabo pensando rápido para tomar a melhor decisão. Mas, tem saído muitas canetas e é legal porque os torcedores também gostam. Faço como recurso e não para humilhar ninguém. Além disso tem que arriscar com segurança, em direção ao gol, para que não possa prejudicar meu time caso perca a bola.

*Foto: Léo Borges

*Matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos desta sexta.