Assine Já
terça, 14 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 279 8
Arraial do Cabo 9 88 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 14 257 20
São Pedro da Aldeia 4 537 20
Saquarema 9 599 35
Últimas notícias sobre a COVID-19
leanderson

De Cabo Frio para o Brasil

Ala cabofriense Leanderson é um dos destaques do país no futsal

03 julho 2015 - 09h03

Nas divisões de base do Rosa de Saron, um jovem menino ensaiava os primeiros dribles da carreira. Promissor, Leanderson Sant’anna não teve medo de se arriscar: saiu de Cabo Frio, sua cidade natal, para ganhar destaque nacional. O ala é uma das principais armas do Floripa na Liga. Leanderson é um dos artilheiros do clube de Santa Catarina com quatro gols marcados – um deles, inclusive, colocou o Floripa na segunda fase da competição, na vitória por 2 a 1 sobre o Tubarão.
– Consegui fazer uma Liga muito regular. Não é fácil manter a regularidade com tantos jogos, foram 18 ao total em que entrei em quadra. Graças a Deus não tive problemas com lesões e isso me ajudou muito. Tive momentos especiais, como os dois gols da vitória sobre o São Paulo, em que estávamos com um jejum de oito partidas sem vitórias, e no gol contra o Tubarão, que acabou classificando nossa equipe para a segunda fase. Mas consegui ajudar meus companheiros de outra forma também e se não fosse por eles também não conseguiria ter destaque.
Dentro de quadra, Leanderson funciona como arco e flecha. A marcação implacável se alia ao talento para alterar o placar eletrônico. E ainda sobra tempo para mostrar o repertório de dribles: a facilidade para colocar a bola por entre as pernas do adversário rendeu um carinhoso apelido ao cabofriense, agora mais conhecido como ‘Rei das Canetas’. Mas ele não deixa a modéstia de lado e diz que as fintas são um simples recurso.
– Não fico pensando nos dribles que vou dar. É no calor do jogo e acabo pensando rápido para tomar a melhor decisão. Mas, tem saído muitas canetas e é legal porque os torcedores também gostam. Faço como recurso e não para humilhar ninguém. Além disso tem que arriscar com segurança, em direção ao gol, para que não possa prejudicar meu time caso perca a bola.

*Foto: Léo Borges

*Matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos desta sexta.