Assine Já
quarta, 23 de setembro de 2020
Região dos Lagos
21ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
tocha olímpica

Chama que não apaga: moradores da região falam da expectativa de carregar tocha olímpica

Entre os escolhidos para a honra em Cabo Frio estão a canoísta Dayone Rossi e a professora Natália Hoffman

15 junho 2016 - 10h23Por Gabriel Tinoco

Quando a Chama Olímpica percorrer as cidades da Região dos Lagos, um capítulo será escrito em diferentes histórias. A Folha ouviu as pessoas que terão a responsabilidade de conduzir o principal símbolo dos Jogos de 2016 ao Maracanã para abertura das Olimpíadas, no dia seis de agosto. E não se enganem, a ansiedade é grande.

A condução representa muito para a canoista cabofriense Dayone Rossi pela mensagem que o símbolo passa e pela ligação da atleta com o esporte desde a infância.

– Foi interessante porque desde criança tive vontade de ser atleta. Fui me tornar mais tarde. Venho fantasiando desde nova. E foi ainda mais importante por passar aqui pela região. Além disso, a Tocha simboliza a união entre os povos de todos os continentes. Há uma mensagem muito bela nisso.

Dayone também tem um sonho de infância e, muito por isso, a caminhada com a Tocha em mãos tem muita representatividade.

– O legal é que foram indicações por pessoas até que não conheço. A canoa havaiana não é olímpica, é preciso que saia outra modalidade de canoagem. Há muitas nos Jogos. Então, é como se a canoa havaiana estivesse numa lista de espera ao lado de outros esportes. Para um entrar, outro tem que sair. Sendo bem fria, é muito difícil que eu participe como atleta. Praticamente impossível. Não acredito que aconteça nem na próxima (2020). A lista de esporte é enorme e vou estar bem mais velha.Mas quem sabe como treinadora? Nesse caso, vislumbro sim. Mas carregar a Tocha vai ser uma emoção já muito grande. Será uma realização – revela.

A professora Natália Hoffman, moradora de Cabo Frio, mostrou a um dos patrocinadores (Nissan) a sua história como incentivadora de corredores.

– Fui escolhida em uma promoção dos patrocinadores da Rio 2016, que se chama ‘Quem Se Atreve’. Nesse caso, o patrocinador iria escolher as histórias que mais se identificam com espírito olímpico. A partir dessa promoção, fui selecionada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Contei minha história como professora de Educação Física e pela minha trajetória no esporte. Tenho minha carreira voltada para motivar mulheres em busca de emagrecimento, qualidade de vida e bem estar. Sou corredora amadora com grandes conquistas em competições de corrida.Sou Diretora de uma ONG,a Arcolagos que é destinada a atletas e corredores da Região dos Lagos – conta.

Ela também revela que a caminhada é um sonho antigo.

– É um sonho realizado, um momento único. Sempre sonhei em ser atleta profissional, mas, por motivos de trabalho e estudo, não pude me dedicar. Participar desse momento das Olimpíadas é como se fosse uma atleta. É também emocionante poela história das Olimpíadas na Grécia antiga. O fogo era um símbolo de paz no momento de guerras.Se assemelha com o que acontece hoje no país. Que o espírito olímpico e as olimpíadas tragam paz nesse momento de crise – completa ela, que acompanha o revezamento e se emociona em toda vez.

Em Búzios, uma moradora símbolo carregará a Tocha: é a matriarca quilombola, Eva Maria de Oliveira Conceição. Dona Eva, aos 105 anos, pode se tornar a mulher mais velha a fazer a trajetória com o símbolo em mãos.