Assine Já
quinta, 21 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Carlos Alberto Torres

Cabofrienses homenageiam Carlos Alberto Torres

Morto esta semana, eterno Capitão do Tri teve passagem no comando do Tricolor Praiano em 2001

29 outubro 2016 - 15h57Por Texto: Gabriel Tinoco | Foto: Arquivo Pessoal
Cabofrienses homenageiam Carlos Alberto Torres

HERDEIRO - Considerado seu sucessor na lateral, Leandro (E) foi treinado pelo Capita no Fla em 1983

O videoteipe do gol de Carlos Alberto Torres – o que selou a campanha do tricampeonato mundial – deu fama mundial ao ex-lateral-direito. Um dos maiores em sua posição, o ‘Capita’ veio parar na Cabofriense para ser técnico no Carioca de 2001. A passagem foi discreta, a campanha também, mas o comandante usou da fama para levar o time ao Caribe – na primeira e única viagem internacional do Tricolor.

Um dos que tiveram o privilégio de conhecer o jogador, que teve passagens por Santos, Fluminense, Botafogo, foi o goleiro Flávio, um dos grandes ídolos da história da Cabofriense.

– É um cara muito bom de trabalho. Aprendi muita coisa boa com ele. Era um cara que sempre levava tudo muito a sério e com responsabilidade e profissionalismo. Assim que chegou a febre do showbol, tive o prazer de ser treinado por ele novamente na equipe do Fluminense – revela.

O ídolo do Flamengo, Leandro, foi comandado por Carlos Alberto Torres na campanha do título do Brasileirão do rubro-negro de 1983. O craque não poupou elogios ao ex-técnico da Gávea.

– Era meu amigo. Além de ter sido um craque, era um ser humano maravilhoso. Por onde passou foi referência como jogador e profissional, um verdadeiro líder. Com certeza o futebol mundial está de luto, porque é um dos mais importantes jogadores da história – disse.

O craque seguiu um caminho parecido nos gramados. Assim como o Capita, Leandro começou na lateral-direita e depois foi para a zaga.

– Acompanhei sua carreira desde a Copa de 1970 até quando parou. Em 1976, quando cheguei ao Flamengo, ele estava saindo. Carlos Alberto foi um dos primeiros laterais que marcavam e apoiavam o ataque com desenvoltura. Quando os joelhos não suportaram mais, foi para a zaga e jogou muito. Eu segui pelo mesmo caminho, pois tive problemas com o joelho também. Na verdade existe algo em comum. Quem me inspirou a jogar foi o meu eterno ídolo Zico, mas com certeza ele foi referência – explica Leandro, enaltecendo o ex-jogador.