Assine Já
sábado, 05 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 13221 Óbitos: 567
Confirmados Óbitos
Araruama 2625 126
Armação dos Búzios 1500 22
Arraial do Cabo 427 21
Cabo Frio 3925 183
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 2010 79
Saquarema 1537 95
Últimas notícias sobre a COVID-19
FUTEBOL

Boa campanha na Série D do Brasileiro firma Cabofriense no calendário "pós-Carioca"

Desempenho faz clube sonhar em passar para a fase mata-mata e brigar pelo acesso à Série C

06 novembro 2020 - 11h40Por Tomás Baggio

Vida de clube de investimento reduzido costuma se resumir a poucos meses de atividade intensa durante o ano. Geralmente é assim com a Cabofriense, que, apesar da rotina anual na primeira divisão do Campeonato Carioca - normalmente em janeiro, fevereiro e março -, muitas vezes batendo de frente com os grandalhões da capital e beliscando jogos mais decisivos, tem no restante do ano o marasmo da falta de competições importantes. Em 2020 está sendo diferente. O acesso à Série D do Campeonato Brasileiro proporciona não apenas um calendário fixo para o restante da temporada, mas a chance de se destacar e buscar vaga em um campeonato com mais investimento e visibilidade, como é a Série C.

A Cabofriense ganhou o direito de disputar a Série D do Campeonato Brasileiro neste ano após ficar em 6º lugar no Carioca de 2019. O clube não disputava uma competição nacional desde 2015, quando esteve na Copa do Brasil, com a vaga conquistada após a bela campanha do ano anterior no Carioca, em que chegou até as semifinais - a melhor participação na história do clube no Carioca. Pelo Campeonato Brasileiro, esteve na Série C pela última vez em 2006, quando a D nem existia ainda.

Embora seja um clube de investimento pequeno mesmo no universo da Série D - competição que tem equipes com mais estrutura e recursos como Ferroviária (SP), Mirassol (SP), Novorizontino (SP), ABC (RN), América (RN), Moto Club (MA), Joinville (SC), Cascavel (PR), entre outros, a Cabofriense vem cumprindo seu papel. Com 5 vitórias, 4 empates e 1 derrota em dez jogos, ocupa a segunda colocação do grupo A7, a quatro jogos do fim da primeira fase - os quatro melhores de cada um dos oito grupos passam para o mata-mata.

Como os classificados do grupo A7 começam a fase mata-mata enfrentando os classificados do grupo A8, pela classificação até a 10ª rodada, a Cabofriense pegaria o Joinville em uma eventual classificação. 

Mas o time de Cabo Frio precisa manter a pegada em novo desafio neste sábado (7), jogando em casa contra o Bangu, às 15h no Estádio Correão - sem a presença de público.

A missão é complicada. Um dos trunfos do time, o experiente técnico Toninho Andrade, que chegou ao Tricolor Praiano após uma parceria firmada com o Madureira, time que comandou no Carioca deste ano e que aceitou emprestá-lo junto com auxiliar, analista de desempenho e mais cinco atletas, costuma dizer aos jogadores que é preciso competir em alto nível do início ao fim de cada partida.

"É um momento muito positivo. Quando entramos na competição, devido à chave que pegamos, com times de grande investimento, achavam que a Cabofriense não ia brigar em cima. Então precisamos aproveitar o momento da melhor maneira possível. O nível de competição é muito alto, então sempre digo aos jogadores que precisamos competir em alto nível o tempo inteiro, do início ao fim dos jogos, em todas as partidas. O segredo é entender que a competição vai sempre exigir um desempenho de alto nível, e se a equipe conseguir manter o que está sendo feito, tem tudo para passar de fase", afirma Toninho, que tem na bagagem a experiência de ter comandado o vice-campeonato do Macaé na Série D em 2009, com acesso para a Série C no ano seguinte.

Um dos destaques do time é o atacante Gustavo Coutinho, jogador de 21 anos emprestado pelo Fortaleza (CE), artilheiro da Cabofriense na competição com cinco gols. Outro destaque é o volante Marcelo Gama, natural de São Pedro da Aldeia e formado nas categorias de base da Cabofriense, que no ano passado disputou a mesma Série D pelo Brusque (SC), além do goleiro George, dono da posição após virar referência em quatro anos no clube (tem contrato até o ano que vem). Já a base vem sendo representada por garotos como Pedrinho e Nathan, que subiram neste ano para os profissionais.

Mesmo com o bom desempenho, Toninho Andrade é cauteloso no discurso sobre até onde a Cabofriense pode sonhar. Ele diz que o primeiro objetivo é fazer uma campanha digna.

"Eu acredito que, quando se entra em uma competição, a expectativa é ser campeão. Se não puder, então é buscar o acesso. E se também não for possível, pelo menos fazer uma campanha digna. Então estamos dentro deste primeiro passo, que é fazer uma campanha digna, e aos poucos vamos passando para outros objetivos. O campeonato é muito difícil, mas estamos preparados e seguiremos buscando estar em alto nível a cada jogo", considera o treinador.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.